Autoridades temem epidemia de dengue hemorrágica

O isolamento do vírus tipo 3 da dengue em seis moradores de Campos, no nortefluminense, pela Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), está preocupando as autoridades de saúde da região, onde foram registradas as duas mortes pela doença ocorridas neste ano. Este tipo de vírus foi o causador da epidemia do ano passado no Rio, a pior que o Estado do Rio já viveu.Segundo o diretor do Centro de Referência de Dengue em Campos, Luiz José deSouza, as duas mortes registradas em Campos nesta semana foram provocadas pelo tipo 3. Ele teme que o vírus esteja ainda mais agressivo neste ano e que, por isso, faça mais vítimas fatais.?Tivemos três casos extremamente graves neste ano, sendo dois provocados pelo vírus tipo 3. Esse vírus já foi identificado em 20 Estados da federação e acho que vai fazer mortes no Brasil todo. As autoridades estão acomodadas?, disse o médico, que é presidente regional da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Ele ainda aguarda oresultado dos exames em 20 amostras enviadas ao Laboratório Noel Nutels para que otipo de vírus seja detectado.Além das duas mortes ? uma provocada pela dengue hemorrágica e outra pelo tipo clássico ?, outro caso chama a atenção na cidade pela gravidade. A universitária Kamila Cruz da Silva, de 21 anos, que desenvolveu a forma hemorrágica da doença, teve sangramento cerebral, paralisação dos rins e choque. Ela ficou duas semanas internadana Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Pró-Clínicas e permanece em observação num quarto, sem conseguir movimentar os membros inferiores.Em 2002, Campos teve 3.564 casos de dengue, dos quais 240 hemorrágicos. Em janeiro deste ano, foram 67 registros, sendo 14 hemorrágicos. No Estado do Rio, em 2002, 255.493 pessoas tiveram a doença, das quais 1.895 contraíram a forma hemorrágica. As mortes chegaram a 91. Neste ano foram 1.198 registros.A Secretaria Estadual de Saúde não acredita que haja outra grande epidemia em 2003, apenassurtos isolados. Os cuidados de prevenção foram intensificados na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.