Autoridades britânicas bloqueiam U$$ 46 milhões de Dantas

Banqueiro foi preso na Operação Satiagraha, da PF, junto com ex-prefeito Pitta e megainvestidor Naji Nahas

Rui Nogueira e Sônia Filgueiras, de O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2008 | 18h26

A Justiça britânica comunicou nesta quinta-feira, 25,  ao governo brasileiro que bloqueou US$ 46 milhões do banqueiro Daniel Dantas - o dinheiro, depositado em duas contas de bancos ingleses, foi descoberto pela Polícia Federal durante as investigações da Operação Satiagraha. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), unidade brasileira de combate à lavagem de dinheiro, e as autoridades britânicas vinham monitorando as duas contas há pelo menos um mês.    Leia a íntegra da reportagem na edição desta sexta-feira, 26, de O Estado de S.Paulo     Veja Também:   Especial explica a Operação Satiagraha  Multimídia: As prisões de Daniel Dantas  Daniel Dantas, pivô da maior disputa societária do Brasil     Segundo fontes do Ministério da Justiça, o pedido de bloqueio foi feito "há uma semana", quando o Coaf detectou movimentação nas contas, inclusive saques, e alertou o Ministério Público. A pedido do MP, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) fez o pedido, comprovou a movimentação e foi atendido. "Fomos prontamento atendidos dentro das regras de cooperação jurídica entre os dois países", disse ao Estado, o Secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior.   Com esse bloqueio na Inglaterra e o rastreio de mais fundos espalhados por outros países e paraísos fiscais, a Polícia Federal espera retomar o foco original da Operação Satiagraha, que era investigar os negócios financeiros de Dantas por meio do Opportunity Fund Cayman e dos clientes brasileiros que, supostamente, usariam o esquema bancário dele para lavar dinheiro e fazer investimentos ilegais dentro e fora do País - os clientes do fundo de Dantas seriam empresários e também políticos.   A retomada do foco da Satiagraha está agora sob comando do delegado Ricardo Saad, que substitui Protógenes Queiróz. Saad é o chefe da Delegacia de Combate aos Crimes Financeiros da Superintendência de São Paulo (Delecin).   A operação   A Operação Satiagraha, da Polícia Federal, foi deflagrada em julho e prendeu, além do dono do banco Opportunity, o megainvestidor Naji Nahas, o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, a irmã de Dantas, Verônica; seu ex-cunhado e diretor do Opportunity, Carlos Rodenberg; o diretor Arthur Carvalho; o presidente do grupo Opportunity Dório Fermani; a diretora jurídica Daniele Silbergleid Ninio; a advogada Maria Amália Coutrim; e o funcionário Rodrigo Bhering.   Entre outros crimes, eles são acusados de formação de quadrilha; gestão fraudulenta; evasão de divisas; lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. Dantas também irá responder por espionagem e tentativa de corrupção de um delegado cujos primeiros nomes são Vitor Hugo. Foram quatro anos de investigação que culminaram na prisão do financista Nahas e do ex-prefeito. A mulher de Dantas, Maria Alice de Carvalho Dantas, também foi detida.     Texto atualizado às 20 horas para acréscimo de informações  

Tudo o que sabemos sobre:
Operação SatiagrahaDaniel Dantas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.