Aumento significativo no consumo de genéricos

O mercado de medicamentos genéricos cresceu 20% em unidades e 16% em valor em maio. Isso significa um aumento de 15% em relação a todo o mercado farmacêutico. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Grupo Pró-Genéricos, que se reuniu nesta quarta-feira com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em São Paulo (SP).O Grupo, que contava com todos os 20 fabricantes de genéricos no Brasil, passou a ter mais dois sócios, a Alcon, especializada em produtos oftalmológicos, e o HalexIstar.Um dos assuntos abordados com a Anvisa foi a dificuldade que as farmácias encontram para fazer o registro de medicamentos genéricos com receita controlada (remédios com tarja preta). Maria Claúdia Vilaboim, integrante do Grupo Pró-Genéricos, afirmou que 99% das farmácias no Brasil não aceitam a intercambialidade, isto é, não estão se dispondo a trocar o medicamento de marca pelo genérico, nem fazendo a devida anotação da troca nas receitas de medicamentos controlados."Geralmente, os medicamentos controlados são aqueles que mexem com o sistema nervoso central, como antidepressivos, ansiolíticos, relaxantes e soníferos, e os funcionários dos balcões das farmácias simplesmente preferem não oferecer o genérico se a receita não tiver o nome do princípio ativo do medicamento", explicou.Segundo ela, isso acontece por dois motivos: falta de informação e ausência de um farmacêutico responsável pelo estabelecimento. Também existem dificuldades técnicas para realizar corretamente o inventário de saída e o registro de venda nos livros da farmácia.O grupo apresentou uma sugestão à Anvisa para que seja elaborada uma maneira de registrar os medicamentos, nos inventários das farmácias, pelo nome da substância ativa, o que acabaria com esta dificuldade. "É importante esclarecer o público de que, mesmo o médico não receitando o genérico, o farmacêutico tem autonomia para trocar o medicamento de marca pelo genérico, e a própria população deve exigir o intercâmbio", enfatizou Maria Claúdia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.