Aumento salarial de congressistas repercute no exterior

O aumento de 90,7% nos subsídios dos parlamentares brasileiros repercutiu negativamente no exterior e reforçou o ceticismo com o esforço de um maior controle das contas públicas do País."O aumento será o último ato significativo de uma Legislatura que tem sido manchada por uma série de escândalos de corrupção envolvendo ministros graduados e assessores próximos ao Presidente", disse o jornal Financial Times. "Um em cada cinco membros do Congresso está sob investigação pela Polícia Federal ou sendo processado pelo Superior Tribunal Federal".O diário britânico observa que "a maioria dos economistas afirma que um pré-requisito para o crescimento econômico será cortar o gasto corrente - nas aposentadorias, salários e outros custos do governo - para liberar capital para investimento em infra-estrutura e outros motores do crescimento".O economista Paulo Leme, do banco Goldman Sachs, em nota para clientes, afirma que com o aumento do subsídio para R$ 24.500 mensais, o ganho anual de um congressista brasileiro, será de US$ 151.666 (incluindo o 13.°). Mas ele observa - citando reportagem do Estado de São Paulo - que os parlamentares recebem também outras verbas de auxílio, elevando seus ganhos anuais para US$ 307.250. Nos Estados Unidos, salientou, um senador recebe US$ 165.200 por ano.O jornal mais importante da Espanha, o El País, disse que com o aumento, os parlamentares brasileiros firmam sua posição "como os mais bem pagos do mundo". A Câmara e o Senado sancionaram na quinta-feira o aumento de R$ 12.847 para R$ 24,5 mil, pago a deputados e senadores que, a partir de agora, têm o salário equiparado e vinculado ao teto do Judiciário, o equivalente ao que ganha um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A medida entrará em vigor em 1º de fevereiro de 2007, quando inicia-se a nova legislatura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.