Aumento dos parlamentares provoca distorções, avalia Dulci

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Luiz Dulci, disse nesta quarta-feira que a tentativa da Câmara e do Senado de aumentar a remuneração dos parlamentares para R$ 24.600 mensais provoca "distorção" porque todos os poderes têm de buscar reajustes "compatíveis" com as possibilidades do País. Dulci afirmou, porém, que a questão deve ser tratada "institucionalmente" porque o governo não pode impor condutas ao Legislativo. "Na minha opinião estritamente pessoal, qualquer tipo de reajuste superior aos parâmetros que estão sendo aventados para o conjunto dos trabalhadores brasileiros acaba gerando algum tipo de distorção", argumentou Dulci. "Isso vale tanto para o Legislativo como para o Executivo e o Judiciário." As Mesas da Câmara e do Senado resolveram equiparar os vencimentos dos parlamentares, atualmente em R$ 12.800, aos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que ganham R$ 24.600, mas o reajuste ainda não está aprovado. O aumento será discutido nesta quinta-feira, às 12 horas, ma reunião conjunta das mesas diretoras da Câmara e do Senado e dos colégios de líderes das duas Casas. Dulci insistiu em que o governo não tem a intenção de interferir no assunto. "Nenhum poder pode impor ao outro conduta A ou B", observou. Questionado por que Lula não se manifestava contra o aumento dos parlamentares - uma vez que ele próprio reclamou do efeito cascata provocado pelo reajuste no Judiciário -, o ministro foi cauteloso. "Se o presidente Lula tiver ponderações a fazer, como fez ao Judiciário, vai fazê-las de maneira institucional, e não na base do palpite", disse. Salário mínimo O ministro não teceu comentários sobre a derrota sofrida terça-feira pelo governo, na Comissão Mista de Orçamento, quando os parlamentares fixaram o valor do salário mínimo em R$ 375, a partir de abril do ano que vem. De qualquer forma, a questão ainda não está fechada. A equipe econômica defende reajuste bem menor: dos atuais R$ 350 para R$ 367. "Eu considero que já é um reajuste bastante significativo", afirmou Dulci. "Mas isso não significa que, no processo de negociação, se houver condições, não se agregue alguma coisa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.