Aumento do mínimo foi o possível, diz Genoino

O presidente nacional do PT, José Genoino, saiu em defesa hoje do governo federal em relação ao aumento de apenas R$ 20 do salário mínimo. Para o petista, o reajuste concedido pela União "foi o possível diante da realidade econômica e financeira do País"."Temos de priorizar o nosso crescimento, colocar essa preocupação na agenda do País. A geração de empregos é a maior prioridade do governo. Todos nós defendemos um salário mínimo maior, mas não tivemos condições de fixar uma taxa superior à que foi decidida", justificou ele, acrescentando que aumento de apenas R$ 20 foi uma medida necessária diante das contas públicas e da Previdência.Genoino fez um mea-culpa em relação à postura dos integrantes do seu partido quando estavam na oposição. "Quando o PT estava na oposição, deveria ter tratado a questão do salário mínimo com mais consistência. A responsabilidade de governar o Brasil é muito maior diante do que se tem pela frente. Temos de trabalhar como nunca por crescimento e emprego para aumentar a renda do trabalhador. Temos de trabalhar com todo afinco com os programas de transferência de renda, por exemplo. O reajuste do mínimo foi uma posição necessária diante da realidade econômica do país", reiterou ele.Em entrevista ao portal do PT (www.pt.org.br), Genoino também comentou sua viagem, na semana passada, à China. Ele ressaltou a importância econômica do País asiático e destacou que a nação mais populosa do mundo pode se transformar em um grande parceiro para o Brasil tanto nas relações internacionais quanto nas econômicas e comerciais.Segundo o presidente do PT, há uma grande expectativa entre os chineses com a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao país, ainda este mês. "Já temos com os chineses parcerias no setor do aço e da infra-estrutura e podemos construir outras no setores do açúcar e do álcool, moveleiro, científico, tecnológico e principalmente com a soja", afirmou Genoino, que assinou em Pequim protocolo de cooperação e intercâmbio com o Partido Comunista Chinês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.