Aumento da contribuição não está fechado, diz ministro

O ministro da Previdência, Amir Lando, afirmou hoje, em solenidade na Base Aérea de Brasília, que o governo ainda não decidiu se aumentará em 0,6 ponto porcentual a contribuição previdenciária do empregador para garantir o reajuste dos atrasados dos aposentados do INSS. O ministro negou que tenha partido dele a divulgação da proposta de elevar a alíquota de contribuição social do empregador. "Vocês ouviram eu falar alguma vez que haveria definição de fonte?", questionou Lando. "Se a Casa Civil anunciou, falou em nome do governo. Eu não falei", disse Lando.Segundo o ministro, seja qual for a receita não haverá aumento da carga tributária. Na última sexta-feira, durante entrevista coletiva, Lando foi vago ao falar de aumento de contribuição. Ele, no entanto, distribuiu o documento com as "bases mínimas do acordo", que mencionava a elevação da alíquota da contribuição patronal de 20% para 20,6% a partir de novembro deste ano. Ainda na sexta-feira, o Palácio do Planalto divulgou um documento da Casa Civil com a mesma proposta de aumento da contribuição. Hoje, na Base Aérea, o ministro disse que há alternativas de outras fontes de receita para conceder aumento aos aposentados conforme determinações judiciais. Lando negou que haja uma divergência no governo pois, segundo ele, não houve definição ainda de onde será retirado o dinheiro para pagamento dos aposentados. "O presidente definirá no momento certo qual vai ser esta fonte. Evidentemente que se a Casa Civil confirmou, ele (ministro José Dirceu) tem competência para falar em nome do governo", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.