Aumentar imposto sobre consumo é terrorismo, diz Hartung

O líder do PPS, senador Paulo Hartung (ES), classificou hoje de "terrorismo tributário" a afirmação do secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, de que o governo poderá aumentar os impostos que incidem sobre consumo para compensar as perdas, caso o Congresso aprove o projeto de lei que corrige a tabela de isenção e reduções do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). "É uma forma de subestimar a inteligência do brasileiro, já que qualquer aumento de imposto implica no envio de uma proposta ao Congresso. É impossível aprovar um aumento com a atual carga tributária que chega a 32% do PIB", disse o senador Hartung, autor do projeto que corrige a tabela. Já aprovado no Senado, a matéria está tramitando na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e já foi aprovada na Comissão de Finanças. Paulo Hartung está aberto a negociar pontos do projeto com o governo. "E essa negociação o governo já deveria estar fazendo na CCJ", avaliou o líder do PPS, destacando como ponto negociável a correção do IRPF em 35%, prevista no substitutivo do deputado Mussa Demes (PFL-PI). "Vamos encontrar um percentual aceitável. Só não é possível manter a tabela sem correção por mais um ano", concluiu o senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.