Aumentam boatos sobre queda de ovni em MS

Estão aumentando os boatos sobre uma colisão de objetos voadores não identificados (ovni) presenciada pelo menos por seis pessoas, entre elas o cantor e apresentador de TV, Fábio Júnior, em Corguinho, município a 90 quilômetros de Campo Grande. O único fato oficial até agora, é uma queixa formal na Delegacia de Polícia Civil daquela cidade, feita pelo fazendeiro Getúlio Alves, afirmando que algumas de suas vacas leiteiras ficaram cegas depois do acontecimento, descrito como uma explosão seguida de um imenso clarão, que chegou inclusive a derrubar árvores e queimar copas de outras.O delegado Marco Antônio Balsamimi foi até a Fazenda Boqueirão, local do acontecimento, ouviu várias pessoas e concluiu que não existe nada concreto que possa ser registrado em um boletim de ocorrência policial. Ele chegou a esta conclusão depois de ter comunicado o episódio à Base Aérea de Campo Grande, que afirmou desconhecer qualquer ocorrência fora do normal na região.A colisão do ovni teria acontecido pouco depois das 18h de sábado último, na localidade de Boa Sorte, a 35 quilômetros do centro de Corguinho, que possui 3.800 habitantes. Populares da cidade encaram essas notícias como corriqueiras. Eles não acreditam no que afirma a pequena comunidade do Projeto Portal, organização do paranormal Urandir Fernandes de Oliveira, que montou uma espécie de hotel fazenda vizinho da Fazenda Boqueirão e recebe turistas de várias localidades do Brasil e exterior, atraídos pelas notícias sobre aparecimento de discos voadores ou bolas reluzentes que cruzam o céu do lugar.O delegado explicou que os depoimentos das testemunhas são "vazios, sem o menor vestígio positivo, palpável, algo que mereça atenção por parte da polícia". Disse também que conversou com o fazendeiro Getúlio Alves e que o mesmo foi "evasivo" afirmando que as vacas estão apresentando problemas de "controle motor, mostrando sinais de que estão cegas ou enxergando muito pouco, há várias semanas". O policial disse que "nem quis ver os animais?, depois que sentiu a ?falta de firmeza nas informações".Ele perguntou ao fazendeiro se algum veterinário teria examinado os animais e obteve como resposta que "ainda não". Apenas a comunidade do Projeto Portal está interessada em desvendar a questão. Uma ufologista que se identificou como Maria Lúcia está à frente das investigações. Ela disse que possui um aparelho para medir o grau de radiatividade no local onde teriam caído os destroços do ovni, que, ?por ser muito alto torna arriscada qualquer aproximação das pessoas?. Ela ainda está aguardando uma oportunidade para procurar os destroços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.