Silvana Garzaro
Silvana Garzaro

Ao lado de Alckmin, advogado crítico da Lava Jato se filia ao PSB

Augusto de Arruda Botelho ainda não decidiu o cargo que pretende disputar, mas vai se filiar ao PSB na mesma cerimônia que marcará a entrada do ex-governador paulista no partido; Alckmin é cotado para a vice de Lula

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2022 | 11h16

O advogado Augusto de Arruda Botelho deve se filiar ao PSB na próxima quarta-feira, 23, no mesmo evento que marcará a entrada de Geraldo Alckmin no partido. Ao Estadão, ele afirmou que ainda não há definição sobre o cargo ao qual deve ser lançado nas eleições de outubro. Essa decisão, segundo ele, deve ser tomada “em breve”, após conversa com a legenda. Estão em jogo sobretudo a disputa por uma cadeira na Câmara dos Deputados ou na Assembleia Legislativa de São Paulo. 

Membro do Grupo Prerrogativas e crítico da Lava Jato, Botelho integra a lista de nomes que trazem o espectro da operação para as eleições deste ano. O pleito terá desde alvos da força-tarefa, como Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que chegou a ser condenado no âmbito da operação e, posteriormente, teve sua sentença anulada pelo STF, até o ex-coordenador da equipe no Paraná, Deltan Dallagnol, e o ex-juiz Sérgio Moro, ambos no Podemos. 

Botelho afirmou que seu posicionamento não deve ser limitado ao antilavajatismo e que, caso seja eleito para um cargo no Legislativo, não pautará sua atuação anesse rótulo. “Não é uma questão de ser contra a Lava Jato, mas contra abusos cometidos pelo Ministério Público e pelo Judiciário, seja na Lava Jato ou em outras ações. O combate à corrupção é uma das pautas mais importantes na política, ele precisa ser aperfeiçoado e continuar sendo feito”, declarou.

O advogado disse ainda que, embora tenha ressalvas, considera não haver o que contestar sobre o ingresso de Moro e Dallagnol na política. Ele defende uma quarentena para que membros do Judiciário concorram a cargos políticos. “Mas, de acordo com texto legal atual, eles podem concorrer. Não há o que contestar”, afirmou.

Como mostrou o Estadão, alvos da operação voltarão às urnas este ano após decisões do Supremo que anularam condenações. Entre eles, o ex-governador Beto Richa (PSDB-PR), o ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves (MDB-RN) e o ex-senador Gim Argello (sem partido), além de Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.