Auditoria aponta 30 municípios com irregularidades

Dos 50 municípios auditados pelo sexto levantamento da Controladoria-Geral da União (CGU), 30 apresentaram irregularidades na aplicação dos recursos federais. A prefeitura de São Francisco do Conde, na região metropolitana de Salvador, ganhou o posto de "líder" de irregularidades entre todos as cidades investigadas pelo órgão desde abril de 2003, segundo uma síntese, divulgada hoje, da nova fiscalização.O ministro da CGU, Waldir Pires, recomendará à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal "medidas que levem à preservação do patrimônio do município e à responsabilização dos envolvidos nas irregularidades". Os auditores apontam uma série de superfaturamentos e casos de contratos de prefeituras com empresas fantasmas.Só na área de educação, a prefeitura de São Francisco do Conde desviou R$ 2 milhões, de acordo com a Controladoria. Com 26 mil moradores, o município teria fraudado 37 processos de licitação. Os superfaturamentos de produtos comprados nas licitações chegaram a 2.000%. A cidade é administrada pelo prefeito Antônio Calmom (PFL). Ele não foi localizado pela reportagem.A CGU apontou ainda irregularidades em Itabira (MG), Santo Antônio dos Lopes (MA), Buritis (RO), Varzedo (BA) e Igarapé (MA). Em Itabira, pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) teriam pago por serviços médicos no hospital Carlos Chagas. Os fiscais informaram que um médico recebeu R$ 1.500,00 pela realização de uma cirurgia de próstata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.