Áudios interrompem clima de otimismo na J&F

Transação de R$ 15 bilhões com venda da Eldorado Celulose no final de semana deu fôlego financeiro ao grupo

Monica Scarazmuzzo e Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 09h02

A ameaça de cancelamento da delação interrompeu uma sequência de boas notícias para os irmãos Batista que, no final de semana, concluíram o acordo de venda da Eldorado Celulose, uma transação de R$ 15 bilhões.

Os dois estão no Brasil e o clima era de comemoração, segundo pessoas próximas. Na avaliação de Joesley e Wesley Batista, o pior da crise havia passado, de acordo com duas fontes próximas à família Batista, que não quiseram expor suas identidades.

A operação com a empresa de celulose enfim garantiria o fôlego financeiro que a J&F buscava desde que a notícia da delação jogou a JBS e o grupo numa profunda crise. No total, as vendas de Eldorado, Vigor e Alpargatas, seladas nas últimas semanas, renderão cerca de R$ 8 bilhões para a família após descontados pagamentos a minoritários e a dívida dessas companhias.

Animava o clã Batista ainda a notícia de que o processo de arbitragem com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estava encaminhado.

Com os novos áudios, Joesley Batista, o advogado Francisco Assis e o lobista Ricardo Saud podem se complicar criminalmente. Wesley não é alvo do pedido de Janot, o que pode facilitar a condução do processo de reestruturação do grupo.

Segundo uma das fontes que esteve na manhã de de segunda-feira, 4, com Wesley Batista, o presidente da JBS conduziu normalmente as reuniões de trabalho. Essa pessoa que esteve com Wesley disse que deve se reunir nesta terça-feira, 5, novamente com ele para discutir as declarações do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Para essas duas fontes ouvidas pelo Estado, o possível revés criminal não deve afetar as negociações em andamento – como a venda da linhas de transmissão da Âmbar para a canadense Brookfield, que está em processo avançado - nem a conclusão da negociação de venda da Eldorado (que vai ser vendida em duas etapas).

Esse evento de segunda-feira deve aumentar as rusgas entre os dois irmãos, que há anos dividem o comando e o controle do conglomerado. Após os novos áudios virem à tona, fontes afirmam que a estratégia de poupar Wesley e concentrar a autoria das irregularidades nas mãos de Joesley deve aumentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.