José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

Atual secretário-executivo do MEC pode ficar três meses como interino após saída de Weintraub

Secretário-adjunto de Finanças na gestão de Fernando Haddad (PT) na Prefeitura de São Paulo, Antonio Paulo Vogel trabalhava desde 2019 com Weintraub

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2020 | 18h48

O governo Bolsonaro deve deixar como ministro interino da Educação o atual secretário-executivo da pasta, Antonio Paulo Vogel. Formado em Economia e Direito, ele foi secretário-adjunto de Finanças de Fernando Haddad (PT) na prefeitura de São Paulo, mas não tem ligações com o partido. Ele deve ficar, no máximo, três meses no cargo até a escolha do novo ministro.

Vogel participou da transição do governo atual e trabalhava desde 2019 com Weintraub na Casa Civil no cargo de secretário-executivo adjunto. Quando o ex-ministro foi para o MEC, levou Vogel junto. Ele acabou montando praticamente toda a equipe que está na pasta atualmente.

Servidor público federal, no cargo de Auditor Federal de Finanças e Controle, ele é tido como um profissional de gestão e técnico com experiência no Tesouro Nacional e no Banco Mundial. 

Não tinha qualquer experiência na área da educação e, quando começaram as notícias sobre a saída de Weintraub, especulou-se até que Vogel teria um cargo no Ministério da Economia.

Na prefeitura de São Paulo, ele trabalhava com Marcos Cruz, o secretário de Finanças do Haddad, que indicou Vogel ao então prefeito. É lembrado como um profissional conciliador e dedicado. 

O governo teria desistido de indicar para o cargo o atual secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim, pela falta de experiência e por sua ligações com o site Brasil sem Medo que faz ataques ao Supremo Tribunal Federal. O próprio Nadalim, que é amigo de Olavo de Carvalho, não teria aceitado substituir Weintraub. 

Até esta quarta-feira, ele era dado como certo para substituir o agora ex-ministro. No entanto, houve grande pressão da ala militar para que ele não assumisse. Um dos que discorda do nome é  o ministro Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral da Presidência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.