Divulgação
Divulgação

Atuais prefeitos são favoritos em 14 de 20 capitais

Seis deles têm chance de vitória no primeiro turno; continuidade é um fenômeno que se concentra no Norte e no Nordeste do País

Fabiana Cambricoli e Guilherme Duarte, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2016 | 17h09

Eleitores das capitais brasileiras onde os prefeitos tentam a reeleição estão mais propensos a manter o projeto político corrente do que optar por uma mudança, apontam as mais recentes pesquisas Ibope de intenções de voto.

Os atuais mandatários lideram a disputa em 14 de 20 capitais onde há possibilidade de um segundo mandato. Seis deles têm chance de vitória já no primeiro turno, considerando os votos válidos.

O fenômeno se concentra no Norte e Nordeste. Das nove capitais nordestinas, oito têm o prefeito como líder das pesquisas: Fortaleza, João Pessoa, Maceió, Natal, Recife, Salvador, São Luís e Teresina. Já na Região Norte, cinco das sete capitais estão na mesma situação: Boa Vista, Macapá, Manaus, Palmas e Rio Branco. Nas capitais das demais regiões brasileiras, somente Vitória tem o atual gestor como o favorito nas pesquisas. Em Porto Velho, o prefeito está em segundo lugar, mas empatado tecnicamente com o primeiro colocado.

As situações mais confortáveis para a atual gestão ocorrem em Salvador, onde ACM Neto (DEM) tem 73% das intenções de voto, e em Boa Vista, onde Teresa (PMDB) recebe 80% da preferência do eleitorado. As outras quatro capitais onde o gestor pode conquistar um segundo mandato já no primeiro turno são João Pessoa, Natal, Rio Branco e Teresina. Nas seis capitais onde os prefeitos não tentam reeleição, há poucas chances de definição no primeiro turno, pois nenhum candidato alcançou mais de 50% das intenções de voto nas pesquisas.

Em baixa. Se em boa parte das capitais brasileiras os prefeitos têm a preferência do eleitorado, em outras, a impopularidade da atual gestão diminui a chance de o mandatário participar de um eventual segundo turno das eleições.

É o caso de São Paulo, onde Fernando Haddad (PT) está tecnicamente empatado em terceiro lugar com Marta (PMDB) e enfrenta dificuldade para seguir na disputa. Em Campo Grande e Aracaju, a situação é semelhante. Os atuais prefeitos Alcides Bernal (PP) e João Alves (DEM), respectivamente, estão distantes dos dois primeiros colocados e não deverão chegar à segunda etapa.

Nas seis capitais onde não há disputa de segundo mandato, apenas em uma delas, Porto Alegre, o candidato apoiado pela atual gestão lidera as pesquisas.

Partidos. Se os primeiros colocados nas pesquisas das capitais fossem eleitos hoje, as administrações dessas cidades seriam distribuídas entre um número maior de partidos. Atualmente, dez legendas controlam as 26 capitais. Se os favoritos dos eleitores ganhassem o pleito, 14 partidos passariam a administrar esses municípios.

Também haveria mudanças das legendas com o maior número de prefeitos de capitais. Hoje, PDT e PSB têm cinco prefeituras cada, seguidos por PSDB, com quatro, e PT, com três administrações. No cenário projetado pelas pesquisas, PDT e PSB passariam a ter três e dois prefeitos, respectivamente. Já o PSDB cresceria, com uma prefeitura a mais do que as quatro atuais. O PT perderia duas e seguiria com uma.

Se os índices das pesquisas se confirmassem, o PMDB sairia como o maior vitorioso das eleições nas capitais, conquistando cinco prefeituras, ante as duas que administra atualmente. Cinco partidos menores, que hoje não controlam nenhuma capital, são favoritos para levar uma cada: PCdoB, PMN, PRB, PSOL e PTB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.