Atraso nos dados de desmatamento se deve à Casa Civil, diz Minc

O ministro do Meio Ambiente,Carlos Minc, afirmou nesta sexta-feira que houve interferênciada Casa Civil para retardar a divulgação de dados sobre odesmatamento no país, prevista para maio. Minc disse que obteve informações de que o objetivo dogoverno é divulgar conjuntamente dados de desmatamentofornecidos pelo Inpe, Embrapa, Ibama e pelos próprios Estados. "O governo, a Casa Civil, tem dados diferentes e resolveude alguma maneira uniformizar e compatibilizar esses dados",disse Minc a jornalistas em evento no Jardim Botânico, no Riode Janeiro. O ministro considera impossível tecnicamente reunir asinformações em um único dado para divulgação pública. "Acho impossível uma informação só, os dados não sãocompatíveis. Imagino que serão divulgadas todas as informaçõese cada uma será comentada. Essa é minha opinião até comoprofessor da UFRJ", afirmou. Minc disse que teve acesso aos dados do Instituto Nacionalde Pesquisas Espaciais (Inpe), que ao contrário de abril nãoapontam aumento de desmatamento. "O que posso dizer é que os dados não indicam aumento emrelação ao mês anterior e ao mesmo período do ano passado",comentou. O ministro disse que pretende ter audiência com a ministraDilma Rousseff, da Casa Civil, para tentar entender o atraso nadivulgação dos dados sobre desmatamento. Minc frisou que oatraso pode gerar uma desconfiança na sociedade. "Espero que isso seja divulgado na semana que vem. Atéporque pode gerar uma apreensão na imprensa, ejustificada...Por acaso, esse dado não é ruim, mas a nãodivulgação cria a apreensão", disse ele. "Isso não foi uma iniciativa minha. A justificativa que foidada me parece razoável, desde que não haja descontinuidade nadivulgação da informação", acrescentou Minc, dizendo que vaifalar com Dilma para saber como está sendo feita a harmonizaçãodos dados, pois está sendo cobrado por isso.(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.