Atos secretos envolveram ao menos 37 senadores

Prática também aparece associada a 24 ex-parlamentares desde 1995, evidenciando que era bem conhecida

Leandro Colon e Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo,

23 de junho de 2009 | 07h28

A edição de atos secretos beneficiou ou obteve a chancela de pelo menos 37 senadores e 24 ex-parlamentares desde 1995. Não há distinção partidária - PT, DEM, PMDB, PSDB, PDT, PSB, PRB, PTB e PR têm representantes na lista. São senadores que aparecem como beneficiários de nomeações em seus gabinetes ou que assinaram atos secretos da Mesa Diretora criando cargos e privilégios. A existência de tantos nomes indica que a prática dos boletins reservados era bem conhecida.

 

Veja também:

Especial multimídia: Os atos secretos de um Senado em crise

link'A crise é geral', avalia Tuma

linkSitiado, Sarney ouve apelo para que se licencie do cargo

linkSenado paga funcionários em mausoléu de Sarney no MA

link'Não sabia que era ato secreto'

linkGabeira usou verba oficial em empresa da namorada    

Os nomes dos parlamentares surgiram nos atos publicados nos últimos 30 dias, mas com data da época a que se referem. A quantidade pode ser ainda maior, com a evolução das investigações na Casa. A Mesa Diretora receberá hoje o relatório final da comissão que descobriu cerca de 650 boletins secretos. O documento apontará indícios de sigilo intencional em boa parte dessas medidas.

A investigação revela que a prática de esconder decisões envolveu todos os presidentes e primeiros-secretários que passaram pelo Senado desde 1995. O corregedor Romeu Tuma (PTB-SP) aparece na relação. O atual primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), responsável pela comissão que levantou os atos, também está no grupo dos parlamentares com cargo na Mesa que referendaram parte dos atos secretos.

Tudo o que sabemos sobre:
atos secretosSenadopartidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.