TV Brasil / Reprodução
TV Brasil / Reprodução

Atos pró-Bolsonaro ocorrem em ao menos oito capitais

Panelaço começou às 21h, após manifestações contra o presidente. Ao menos oito capitais registraram atos: Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Salvador, Belo Horizonte, Florianópolis e Maceió

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2020 | 22h06

Os atos pró-Bolsonaro que ocorreram nesta quarta-feira, 18, foram registrados em ao menos oito capitais do País: Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Salvador, Belo Horizonte, Florianópolis e Maceió. Os protestos começaram às 21h, logo após os panelaços contra o governo

Também mobilizado pelas redes sociais, o ato a favor de Bolsonaro foi lembrado pelo presidente nesta quarta em entrevista coletiva com jornalistas. Questionado sobre os protestos contra seu governo, Bolsonaro afirmou que encara qualquer movimento por parte da população como uma “expressão da democracia”. 

Em seguida, fez questão de lembrar que seus apoiadores organizaram um panelaço a favor do governo para 30 minutos depois da oposição, mas que veículos da imprensa não falaram sobre o ato. “A TV Globo divulgou esse movimento do panelaço, bem como a Veja Online. Mas não vi esses órgãos da imprensa falando que corre nas mídias sociais um panelaço às 21h favorável ao governo Jair Bolsonaro”, disse. 

Em São Paulo, alguns bairros registram panelaço a favor do presidente. Vídeos publicados nas redes sociais mostram manifestantes gritando “mortadela” ao som do hino nacional na Aclimação.

Na Vila Romana, zona oeste da capital, também houve som do hino aos gritos de "mito" e "fora Mandetta". Porém, a mobilização durou menos tempo do que o panelaço contra o presidente. No Butantã, bairro que registrou panelaço contra Bolsonaro, quase não foi possível ouvir barulho de manifestantes a favor do governo.

Brasília

Em resposta aos panelaços de repúdio ao presidente Jair Bolsonaro, apoiadores do governo reagiram em Brasília com outro panelaço e vuvuzelas.

A reação começou às 21h, horário agendado pelas redes sociais, e durou cerca de 5 minutos. Em bairros como Asa Norte, Cruzeiro e Asa Sul, moradores que defendem o governo gritaram o nome do presidente das janelas, enquanto batiam com colheres de pau em panelas.

Bolsonaristas também soltaram fogos de artifício. Na Quadra 110 Sul, carros circularam tocando o Hino Nacional no sistema de som. Sozinho, um apoiador da intervenção militar foi às ruas. 

Também houve reação de pessoas contrárias ao presidente, que tentaram abafar o ato governista com caixas de som. Na Quadra 309, um morador tocou em instrumento de sopro a melodia do jingle de campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.