Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Protestos marcam o 7 de Setembro em Fortaleza

Grupos pró intervenção militar e a favor do impeachement da presidente se encontraram nas ruas

Carmem Pompeu, Especial para O Estado

07 de setembro de 2015 | 15h16

FORTALEZA - Dois atos marcaram o 7 de Setembro, hoje em Fortaleza, no Ceará. Na Avenida Beira-Mar, palco do desfile oficial, cerca de 50 pessoas vestidas de preto, segundo cálculos da Polícia Militar, protestaram contra a presidente Dilma e contra o PT com cartazes, faixas, caixão e um boneco inflável gigante do "Pixuleco", que faz referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vestido de presidiário. O outro foi o Grito do Excluídos, que partiu do Centro Cultural Dragão do Mar, reunindo 2 mil pessoas, também segundo a PM.

Na avenida Beira-Mar, os manifestantes invadiram a área do desfile antes do final. Ainda faltavam os Bombeiros e a Guarda Municipal se apresentarem, quando o grupo ocupou a avenida. Homens do Batalhão de Choque fizeram um embarramento para impedir que o manifestantes tivessem acesso à área próxima ao palanque das autoridades, onde estava a governadora em exercício, Izolda Cela, e o prefeito da cidade, Roberto Cláudio, ambos do PROS. O governador Camilo Santana (PT) está em viagem oficial à China. 

Os manifestantes conduziam um caixão, envolto por uma bandeira vermelha com uma estrela branca, representando o PT.  Alguns portavam cartazes e faixas pedindo intervenção militar no País. Outros pregavam apenas o impeachment da presidente Dilma. Os dois grupos se separaram e chegaram a bater boca no final do cortejo.

"Somos impeachmistas!", gritavam os manifestantes liderados pelo empresário Paulo Angelim, coordenador do Instituto Democracia e Ética (IDE), entidade que faz parte da Aliança Nacional dos Movimentos Democráticos. "Intervenção Militar Já!", pediam os liderados por Mauro Costa, produtor de audiovisual. "Nós não acreditamos que o impeachment resolva. Ele apenas troca os interesses de quem rouba", comentou Mauro.

Entre os populares, que acompanhavam o desfile militar de Fortaleza, também havia divisões. Uns apoiavam o cortejo antigoverno e aplaudiam. Outros vaiavam e gritavam "Fica, Dilma!". A rua foi liberada para os manifestantes tão logo as autoridades deixaram o palanque. Apenas o deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE) ficou em sinal de apoio.

No Grito dos Excluídos, que reuniu Movimento dos Sem-Terra (MST), centrais sindicais, organizações sociais e igrejas, o tema central era a luta pela igualdade social e moradias, além de críticas à imprensa. Mas também havia pessoas que se posicionaram contra a redução da maioridade penal e contra o impeachment da presidente Dilma. Vereadores do PT e do PSOL estavam na manifestação, que, de acordo com os organizadores, contou com 4 mil pessoas. 

Tudo o que sabemos sobre:
Fortaleza7 de Setembroprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.