Ator garoto-propaganda de Lula adere a tucanos

O ator Paulo Betti, que durante 15 anos fez campanha para o PT, esteve hoje ao lado do presidente Fernando Henrique Cardoso na visita à uma indústria, em Sorocaba. Ele explicou sua decepção com o partido: "Não posso continuar apoiando um candidato que não vai ao teatro", disse, numa referência ao presidente de honra petista, Luiz Inácio Lula da Silva. "Assim como freqüentei milhares de comícios, gostaria que ele tivesse ido a uma peça minha. Não é possível que todas fossem tão chatas." A assessoria de imprensa de Lula garantiu hoje que ele freqüenta e sempre frequentou teatros.Questionado sobre o interesse de Fernando Henrique por seus trabalhos, o ator revelou que o presidente também nunca compareceu aos seus espetáculos. "Mas você sabe que ele vê teatro", justificou. "Eu ouço dizer que Lula perdeu a eleição para o Collor porque nunca foi ao teatro. Se ele tivesse visto uma peça de Ibsen, como Casa de Bonecas, não se encalacraria com aquele problema do aborto."O texto teatral citado por Betti fala da necessidade de vencer algumas convenções sociais. Para o ator, Lula poderia ter reagido de forma diferente à acusação - veiculada na TV pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello - de que o petista pediu à ex-namorada Miriam Cordeiro para fazer um aborto.O ator explicou que a razão da sua presença ao lado do presidente era despertar interesse do empresariado para o filme Cafundó, que ele ainda pretende montar. Ele revelou que poderá apoiar um candidato tucano. Mais tarde, embora tenha ensaiado citar o nome do ministro da Saúda, José Serra, o ator alegou que dará apoio ao candidato que tiver maior interesse pela cultura, independentemente do partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.