Ato lembra dois anos da morte de Dorothy Stang

Em homenagem aos 2 anos do assassinato da missionária americana Dorothy Stang, foi realizado ato ecumênico na última segunda-feira em Belém. Ela tentava implantar projeto para trabalhadores rurais, em Anapu, o que desagradava a fazendeiros. Ainda não há data para o julgamento dos dois acusados de serem os mandantes do crime, Vitalmiro Moura e Regivaldo Galvão, que continuam soltos.Dorothy Stang foi assassinada, com sete tiros, aos 73 anos de idade, no dia 12 de fevereiro de 2005 , às 7h30, em uma estrada de terra de difícil acesso, a 53 quilômetros da sede do município de Anapu, no Pará.Segundo uma testemunha, antes de receber os disparos que lhe tiraram a vida, os assassinos perguntaram a Dorothy se ela estava armada. Em resposta, a missionário mostrou a Bíblia e disse "eis a minha arma!". E ainda leu alguns trechos antes dos disparos. O corpo da missionária está enterrado em Anapu.A missionária iniciou seus trabalhos no País em 1966 e estava presente na Amazônia desde a década de 70 com trabalhadores rurais da Região do Xingu. Atuou ativamente nos movimentos sociais no Pará e em projetos de desenvolvimento sustentável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.