Ato contra Dilma reúne oito manifestantes em Brasília

Movimento foi organizado pelo grupo 'Revoltados Online' nas redes sociais e reuniu sete carros com adesivos e bandeiras pedindo a saída da presidente; ao final grupo saiu buzinando pela Esplanada

DANIEL CARVALHO E BERNARDO CARAM, O Estado de S. Paulo

13 de março de 2015 | 17h45

Atualizado às 22h17

Brasília - Ato pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff em frente ao prédio da Petrobrás em Brasília reuniu, nesta sexta-feira, 13, oito manifestantes e 12 policiais militares. O movimento foi organizado, por redes sociais, pelo grupo "Revoltados Online". Marcado para as 17 horas, o protesto reuniu sete carros com adesivos e bandeiras que pediam o impeachment da presidente. Ao final, eles percorreram a esplanada de carro buzinando.

Para evitar confronto, eles mudaram a estratégia original e não passaram pela rodoviária da cidade, onde organizações como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fazem ato nesta tarde pela defesa da democracia. Os manifestantes que estão em frente ao prédio da Petrobrás em Brasília criticaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por supostamente ter convocado o "exército do Stédile" para fazer frente às manifestações contrárias ao governo.

Uma das organizadoras do ato, a auditora aposentada do Tribunal de Contas da União (TCU) Claudia de Faria Castro, defendeu a saída de Dilma da Presidência da República, mas disse ser contrária à hipótese de intervenção militar. "Intervenção militar, a gente acha incogitável", afirmou. "Precisamos dar um recado. Acho que o povo tem de amadurecer. Nosso objetivo é dizer que estamos atentos. Não queremos deixar espaço para quem não nos representa", declarou a manifestante, dizendo acreditar que o impeachment seria capaz "de resolver a curtíssimo prazo os problemas do País".

O professor de inglês e filosofia Edgar de Souza, de Campinas, disse que esta em Brasília há três dias para reforçar o movimento. Segundo ele, a presidente Dilma desrespeita a Constituição e que, por isso, pode ser impedida. "O governo perdeu a moralidade, a eficiência e não tem transparência. Collor foi cassado por muito menos. Temos um desmando no governo", afirmou.

O professor disse que o presidente ideal seria o candidato derrotado e atual senador pelo PSDB Aécio Neves. Souza está vestido com um colete em que, na frente, é possível ler "sou golpista porque sou contra Dilmabras corruPTçãobras, PTbras, violência, diPTadura, inflação. A Graça saiu. Falta a desgraça. Impeachment já". Nas costas, ele estampa personalidades que admira: o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela apuração do caso Lava Jato, o pastor Silas Malafaia e os jornalistas Reinaldo Azevedo, Luiz Datena, Rachel Sheherazade, Ratinho, Alexandre Garcia, Chico Pinheiro e Arnaldo Jabor.

O ato ocorreu sem problemas e terminou com a participação com os oito manifestantes saindo de carro buzinando pela Esplanada dos Ministérios. Com baixa adesão, dispersaram-se rapidamente.

Os funcionários da Petrobrás que trabalham no local não foram liberados mais cedo, como chegou a ser sugerido pela Polícia Militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.