Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Protesto contra PEC do Teto tem confusão e preocupa Planalto

Governo teme que episódio possa inflar atos marcados para o próximo dia 4

Lígia Formenti, Daiene Cardoso, Isadora Peron, Igor Gadelha e Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2016 | 17h46

BRASÍLIA - Após um carro ser tombado próximo ao gramado do Congresso Nacional, a Polícia começou a disparar bombas contra os manifestantes que protestam contra a votação da PEC do Teto, a Medida Provisória que reforma o Ensino Médio e mudanças no pacote anticorrupção. Houve correria dos manifestantes, que chegaram em frente ao prédio do Congresso e invadiram o espelho d'água. 

As manifestações preocupam o Palácio do Planalto, que teme que o episódio de hoje possa inflar os atos que estão sendo convocados para o dia 4, em São Paulo. O porta-voz da Presidência disse que Michel Temer repudia vandalismo e que a intolerância não pode ser "instrumento para pressionar Congresso". O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a ação da polícia, criticada por excessos pelos manifestantes, foi uma reação à violência dos participantes. O Senado deve apreciar nesta noite a PEC do Teto de Gastos, que impõe limite às despesas da União nos próximos 20 anos. 

Mais de 10 mil pessoas participaram da manifestação, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, com gritos de ordem como “Fora, Temer” e “Diretas Já” . O movimento teve início às 16 horas. Estão no protesto estudantes, representantes da CUT, MST, organizações ligadas às universidades federais, como Sintuff, e grupos indígenas.

Após a confusão no gramado da Esplanada dos Ministérios, um grupo de deputados e senadores deixou o Congresso para acompanhar a manifestação. Entre os parlamentares estavam o deputado Pepe Vargas (PT-RS), que foi ministro dos Direitos Humanos da ex-presidente Dilma Rousseff. 

Para dispersar os manifestantes, que chegaram a lançar coquetéis motolov e a virar carros, a polícia começou a disparar bombas de efeito moral e gás lacrimogênio. Houve corre-corre e gritaria. A tropa de choque está de prontidão para agir. 

A reportagem presenciou o uso de várias bombas de gás lacrimogênio e até o enfrentamento entre manifestantes e policiais. Entre os manifestantes, há professores e estudantes. Há relatos de que quatro veículos foram virados pelos manifestantes e alguns deles foram usados como escudo. Banheiros químicos instalados nos arredores do Congresso também foram derrubados.

Após a ação da polícia, o grupo deixou a frente do Congresso e caminhou em direção à Catedral Metropolitana de Brasília, no início da Esplanada dos Ministérios. Há expectativa de que o grupo pode tentar se reorganizar para voltar à área do Congresso.

Deputados de oposição conversaram com integrantes da Polícia Militar do Distrito Federal a fim de intermediar o conflito.

Manifestantes reclamam da truculência da polícia do Distrito Federal, que teria exagerado do uso da força, e responsabilizam o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) caso haja algum ferido com gravidade.

Alguns deputados da oposição como Maria do Rosário (PT-RS), Henrique Fontana (PT-RS) e Paulo Pimenta (PT-RS) estão liderando o movimento que tenta contornar o enfrentamento entre policiais e manifestantes.

"Está perto de acontecer uma tragédia", disse o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ). Ele contou que esteve fora do Congresso e pediu para que haja uma intervenção da presidência da Câmara para que a ofensiva da polícia pare.

Confusão. Por volta das 18h50, um grupo de manifestantes voltou a entrar em confronto com policiais na Esplanada dos Ministérios. O embate aconteceu nas proximidades do Ministério do Meio Ambiente e terminou rapidamente. Policiais do Distrito Federal avançaram para a Esplanada e atuaram de forma mais intensa para tentar isolar o grupo em frente à Catedral de Brasília.

A ação policial na Esplanada envolve o uso da cavalaria, tropa de choque e bombas de gás. Manifestantes acusam a polícia de ter agredido uma das pessoas que invadiu o espelho d'água do Congresso, o que supostamente teria iniciado o conflito. Outra versão cita que o embate começou após alguns manifestantes terem virado um veículo estacionado nos arredores do Congresso Nacional.

Houve quebradeira dos edifícios públicos e equipamentos urbanos, como paradas de ônibus e lixeiras, na Esplanada. Testemunhas também afirmam que houve excesso dos policiais. Pessoas que se refugiaram atrás dos Ministérios para aguardar os ânimos se acalmarem foram atingidas por bombas de efeito moral.

Os estudantes fizeram uma barricada com fogo em frente à Catedral e em alguns momentos dançaram entoando gritos de guerra contra a polícia. Alguns manifestantes que estavam em um carro de som desseram que havia feridos precisando de socorro, mas não há ainda informações sobre as possíveis vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.