Atenções do Congresso estarão voltadas para ACM

As atenções do Congresso estarão voltadas, hoje, para o plenário do Senado. É da tribuna que o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) promete fazer mais um discurso duro com denúncias de corrupção em setores do governo, destacando ministérios administrados pelo PMDB. O senador promete não agredir o presidente Fernando Henrique Cardoso, mas não poupará ataques a ministros do governo e apresentará documentos apresentando denúncias. Ele deve também rebater os argumentos da Advocacia Geral da União (AGU), de que o governo teria dado seqüência à apuração de todas as denúncias recebidas. O senador já antecipou que, após o carnaval, iniciará o recolhimento de assinaturas para a abertura de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) destinada a investigar irregularidades no sistema portuário. O alvo principal do senador é a família do líder do PMDB na Câmara, Geddel Vieira Lima (BA), a quem ACM acusa de enriquecimento ilícito. Enquanto trava essa luta contra Geddel, o senador deverá assistir hoje à ascensão de outro inimigo político baiano, o deputado Jutahy Magalhães Júnior (PSDB-BA), que deverá assumir a liderança do seu partido na Câmara, em substituição a Aécio Neves (PSDB-MG). Ele conta com o apoio de dois terços da bancada e fez um acordo ontem com seu principal adversário na disputa da liderança, o deputado Nárcio Rodrigues (MG). Caso apareça um terceiro nome, os dois se unem para derrotá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.