Até petistas reclamam da estrela do PT no Alvorada

A decisão de colocar canteiros com a estrela do PT nos jardins do Palácio da Alvorada e na Granja do Torto provocou reação irritada dos partidos de oposição dentro do Congresso e foi reprovada até por petistas. De acordo com o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), Lula deveria ter pedido autorização ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) antes de alterar os canteiros do Alvorada e da Granja do Torto. Segundo Suplicy, é isso o que consta do Decreto-Lei 25, de 30 de novembro de 1937, pelo qual o órgão tem necessariamente de autorizar quaisquer alterações em prédios tombados. Do lado da oposição, as críticas foram mais duras. O líder do PSDB na Câmara, Custódio de Mattos (MG), disse que o gesto demonstra que o atual governo "não vê diferenças entre o partido e o Estado". "Usar um prédio público com o símbolo de um partido é uma falta de respeito republicano. É uma falta de cultura política", disse. O tucano afirmou que o governo tem mostrado que não respeita a divisão entre partido e Estado em outros assuntos, como é o caso da "instrumentalização da máquina do Incra com representantes do Movimento dos Sem-Terra (MST)." O líder do PFL no Senado, José Agripino Maia (RN), também reagiu: "É, no mínimo, ridículo desapreço ao patrimônio público. Isso é a cara do PT, que começou colocando faixas nas torres do Parlamento. Não se esperava isso do presidente Lula, como não se esperava que ele fosse comprar um avião. É um deboche ajardinar o símbolo do partido em um patrimônio público. É um misto de deboche e desapreço ao povo. Pode não ser ilegal, mas é altamente questionável. Nunca ninguém fez nada parecido." Na avaliação do líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), o mau momento político do governo reforça ainda mais esse tipo de crítica. "Esse fato ganhou importância diante da situação de descrédito do governo, quando qualquer deslize passa a ser abertamente condenado pela população", disse. Mas ele concorda que o fato é grave: "É um palácio da República. Não é do PT. Não pode ser partidarizado." Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) evitaram entrar na polêmica jurídica sobre a mudança nos jardins. Indicado para o STF por Lula, o ministro Carlos Ayres Britto, ex-petista, disse que morou por oito meses no Hotel Blue Tree, ao lado do Alvorada. "Esteticamente, preferia do outro jeito. Mas não é uma opinião técnico-jurídica, é estética." Chefe do Ministério Público Federal, instituição responsável por propor ações judiciais contra autoridades, o procurador-geral da República, Claudio Fonteles, não se envolveu: "Não é comigo. É com o jardineiro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.