'Até hoje eu nunca senti o sabor da derrota', diz Roriz

Em mais de uma hora de entrevista, o ex-candidato do PSC ao governo do Distrito Federal Joaquim Roriz relatou toda a sua carreira política, que foi de vereador em Goiás a governador por quatro vezes. "Até hoje eu nunca senti o sabor da derrota", disse ele, ao anunciar a sua decisão de deixar a disputa pelo governo do Distrito Federal nestas eleições. Participaram da entrevista o presidente do DEM-DF, senador Adelmir Santana; a candidata ao Senado pelo PSDB, Maria de Lourdes Abadia; além da nova candidata na chapa ao governo do DF, a esposa de Roriz, Weslian Roriz.

CAROL PIRES, Agência Estado

24 de setembro de 2010 | 18h16

Roriz evitou até o último momento que sua esposa respondesse às perguntas da imprensa e, em alguns dos poucos momentos em que se pronunciou, Weslian disse que o marido saberia responder melhor. No final, a nova candidata concordou em falar e ficou emocionada ao dizer que aceitou o posto para não deixar o marido "passar por esta humilhação". "Meu marido vai me ajudar. Ele vai sim", disse. Questionada sobre sua experiência administrativa, Weslian citou o projeto de adestramento de cães para cegos.

Roriz afirmou que Weslian, se eleita, vai adotar o plano de governo dele, que tem como principais propostas a construção da Cidade da Saúde, uma cidade subterrânea na Esplanada dos Ministérios e a "ampliação do quadrilátero do DF". Questionado sobre qual será sua participação em eventual governo da esposa, Roriz respondeu: "Aí depende se ela vai me convidar."

Apesar de ter desistido da candidatura, Roriz não quis falar em fim da carreira política. Segundo ele, a possibilidade de disputar um novo mandato nas próximas eleições vai depender do seu estado de saúde.

Regime socialista

O ex-candidato ao governo do DF se disse vítima de uma orquestração que busca transformar o Brasil em um regime socialista. Sem citar nomes, Roriz afirmou que querem fazer do Brasil, a exemplo de Cuba, Venezuela e Bolívia, um regime socialista, e Brasília está no centro deste plano por ser uma região agricultável, com abundância de água, onde não ocorrem tragédias climáticas.

"Aqui está a região que vai matar a fome do mundo", disse Roriz, ao afirmar que a candidatura dele representa "uma resistência democrática a este complô".

Em uma das suas últimas falas na entrevista, a pedido de um repórter, Roriz respondeu qual seria sua última pergunta como candidato ao seu adversário do PT, Agnelo Queiroz. "Escuta candidato, o senhor era comunista e hoje é petista. E comunista não acredita em Deus. Então, a pergunta é: o senhor é contra ou a favor do aborto?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.