Astronauta liga para a Terra e descobre: é pai

Mike Fincke ligou do trabalho ? a estação espacial que orbita a Terra - para o celular de sua mulher, hoje, e teve uma surpresa: É uma menina, ela lhe disse do outro lado da linha.Renita Fincke estava atendendo na sala de parto de um hospital da área de Houston. Ela deu à luz ao segundo filho do casal e pôde contar diretamente ao astronauta que estava conectado, via rádio da Nasa, ao celular dela, contou uma amiga da família.Segundo os funcionários da Nasa, é a primeira vez, que eles saibam, que um astronauta americano está no espaço durante o nascimento de um filho.O nome da menina já foi escolhida pelo casal: Tarali Paulina. Orgulhosamente, Fincke informou à Missão de Controle que Tara significa ?estrela? no dialeto indiano da família de sua mulher. ?Minha mulher já tinha me dado a lua. Agora, ela me dá uma estrela?, disse.Seu filho, que ainda não tem três anos, chama-se Chandra, que no dialeto significa ?lua?.A Nasa providênciou duas vídeo-conferências para a família, logo após o parto, para dar a Fincke a chance de conhecer a recém-nascida, segundo Judith Hayes, a amiga do casal.Ambas, bebê e mãe ? uma engenheira que trabalha no Johnson Space Center, em Houston, - passam bem.Micke Fincke, um tenente-coronel da Força Aérea que já cumpriu dois de seus seis meses de missão no espaço, reconhece que é um privilégio estar à bordo da estação internacional, mas sabe que isso é duro para sua família.?Mas uma porção de outras pessoas que não trabalham aqui também passam por isso. Portanto, obrigado Nasa.?Renita planeja enviar montes de fotos e vídeos do bebê para o espaço, com a ajuda da Nasa. Fincke não estava escalado para voar para a estação espacial, mas sua missão com o cosmonauta soviético Gennady Padalka foi precipitada por uma troca de tripulação de última hora. Os dois homens partiram do Casaquistão em abril e voltarão à Terra em outubro.Hoje, Fincke ofereceu a seu companheiro de missão um chiclete de bola ?cor-de-rosa em homenagem à minha filha?, como explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.