Assumir a presidência do PSDB foi um pedido de FHC, diz Alckmin

Governador diz que ex-presidente defendeu seu nome como a melhor opção para apaziguar o tucanato

Rene Moreira - Especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2017 | 16h26

RIBEIRÃO PRETO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta terça-feira, 28, que a decisão de assumir a presidência do PSDB foi tomada após um pedido do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso. O governador disse que o ex-presidente defendeu seu nome como a "melhor opção" para uma unidade partidária. “ A disputa acaba deixando sequelas", afirmou Alckmin em referência à fala de FHC.

+++ Alckmin diz que aceita assumir comando do PSDB em nome de unidade partidária

+++ Alckmin volta a defender desembarque do governo

Em agenda em Ribeirão Preto (SP), o governador falou que a presidência do partido só será decidida na convenção nacional do partido, prevista para o dia 9 de dezembro, e que aceitará comandar a sigla “para promover a união e fortalecer o PSDB para ser um forte instrumento de mudança do Brasil". 

+++ Planalto vê chance de aliança com Alckmin

MANIFESTAÇÃO

Durante a visita, o governador enfrentou um protesto no Hospital das Clínicas. Os manifestantes, cerca de 20 e muitos deles funcionários da própria instituição, portavam cartazes e entoavam palavras de ordem.  Aos gritos de "golpista", eles reclamavam de problemas na saúde pública, falta de reajuste para os professores e o vale-alimentação de R$ 8 dos servidores do Estado, valor que consideram baixo.

O governador tentou demonstrar tranquilidade com o protesto. "Já estou acostumado, desde a época do Mário Covas isso sempre acontece", disse. Para completar em seguida: "A gente tem de ter paciência".

Ele falou ainda que tem uma boa notícia para a categoria. "Nós vamos antecipar o pagamento do 13.º salário, vai ser pago dia 15", explicou. "E estamos estudando sim, reajuste de salário e do vale-refeição", disse.

+++ Programa do PSDB defende 'choque de capitalismo' e privatizações

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.