Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Imagem William Waack
Colunista
William Waack
Colunista
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Assombrações

A difícil situação político-eleitoral de Bolsonaro aumenta seu desequilíbrio

William Waack, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 03h00

Vamos considerar que o presidente da República viva acometido de assombrações, que o levam ao Twitter publicar suposições. Uma delas é a de que brasileiros a serviço do comunismo cubano dispõem de material comprometedor contra ministros do STF. Registros de surubas com crianças e traficantes, usados para chantagear integrantes da Suprema Corte. 

É o que explica, segundo as suposições do presidente, que ministros do STF tenham tornado Lula elegível, atacado a família do presidente, apoiado medidas “socialistas” que cerceiam a liberdade de ir e vir, quebrado sigilo de gente honesta acossada por vagabundos na CPI no Senado, protegido governadores que fomentam desemprego para derrubar o governo e se articulado para garantir que urnas eletrônicas fraudáveis permaneçam em uso.

Ao publicar em redes sociais assombrações que o consomem, o presidente reforçou em integrantes do Supremo a convicção de que está perigosamente desequilibrado. O que torna cálculos e previsões políticas muito difíceis, pois estão à mercê de um possível desatino: e se as assombrações o fizerem correr não para o Twitter, mas para alguma ação destrambelhada?

“Nós tratamos de erguer mais alto ainda a cerca elétrica em volta dele”, disse um dos integrantes do STF. O “nós” é o grupo de ministros que levou adiante uma elaborada articulação para bloquear a tramitação de matéria legislativa que permita a introdução do voto impresso. De acordo com as assombrações com as quais opera suas decisões políticas, Bolsonaro já pode declarar as próximas eleições como fraudadas. O voto impresso dificilmente vai passar e, portanto – nas assombrações bolsonaristas – as eleições não serão limpas.

Diante desse “fato”, Bolsonaro pretende agir de que maneira? O STF é seu alvo preferencial e aí está desenhada claramente a possibilidade de uma ruptura institucional. Há dois motivos que fazem o presidente se sentir seguro em relação aos ataques que faz ao Judiciário como poder e a alguns dos ministros do Supremo. O primeiro é que o Supremo vem aumentando e não diminuindo o ativismo judicial – há uma forte discussão sobre o que veio primeiro, o fracasso da política ou o ativismo dos togados, mas o resultado final é o mesmo. Nada anda sem o STF, tudo passa por lá.

O segundo motivo é o fato de que as decisões dos juízes impactam sobre todos os aspectos da vida nacional, não só as eleições, e algumas delas atentam contra o senso comum – especialmente quando se trata de combate à corrupção. Mudar o STF por dentro com a indicação de dois ministros (e talvez três, dependendo da aposentadoria precoce de mais um deles) é o tipo de “marcha através” das instituições que demanda paciência, cálculo e muita costura. São características que não combinam com Bolsonaro.

Bolsonaro não tem um plano de governo, vive de impulsos e tudo subordinado à reeleição, mas seus adversários no Supremo também não, além de bloquear o que pareça perigo concreto imediato (como o voto impresso). Estão convencidos de que o capitão reformado nunca vai mudar, e que seu evidente desequilíbrio só vai se acentuar. Mas acham que só Bolsonaro derruba Bolsonaro no momento: o Centrão capturou o centro do poder (via alocação de recursos), e uma denúncia por parte do PGR é uma possibilidade mas não – no momento – uma forte probabilidade.

Um processo de impeachment está no aguardo do “tipping point”, quando uma balança se inclina fortemente para um lado, mas não parece imediato. Esse tenso equilíbrio de espera talvez só seja rompido pelo “monstro”, o humor de vastas camadas da população, o sentimento e as emoções que crises profundas moldam, de maneira às vezes imperceptível, até um súbito desfecho. O presente derretimento eleitoral de Bolsonaro e sua forma de governar parecem indicar exatamente isso: uma situação dificílima de ser revertida (do ponto de vista do presidente), mesmo com dinheiro para gastar em auxílios emergenciais e programas sociais.

É o que provavelmente provoca e alimenta as assombrações.

*JORNALISTA E APRESENTADOR DO JORNAL DA CNN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.