Associação não concorda com MP dos aposentados

O presidente da Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas, João Lima Resende, não apóia a medida provisória (MP) que será assinada hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que trata do pagamento de débitos aos aposentados, que estão com os benefícios defasados pela não implantação da correção monetária, no início do Plano Real.Pela proposta do governo, quem tem mais de 70 anos e menos dinheiro a receber, terá direito de receber a diferença agora. Quem tem ação na Justiça receberá em até seis anos. E quem não entrou na Justiça receberá em até oito anos.Pela proposta da Confederação, quem já tem ação em julgado recebe toda a diferença agora. Quem aguarda julgamento da ação receberia em três anos e quem não entrou na Justiça, em até cinco anos."Nessa condição de oito anos (prazo máximo proposto pelo governo), nós somos pessoas de idade, e eu acredito que 30 a 40 por cento, em oito anos, não vão estar vivos para receber esse dinheiro", disse João Lima Resende, em entrevista gravada ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo.Posição do governoJá o ministro da Previdência, Amir Lando, reagiu com indiferença às reclamações da Confederação dos aposentados. "Agora é hora de firmar a medida provisória. O acordo (governo e aposentados) já é coisa do passado. Quem não aderir ao acordo não terá seu benefício imediatamente implantado na folha. É evidente que nesse universo de 1 milhão e 883 milhão aposentados e pensionistas alguns não vão querer. Mas eu tenho certeza que a absoluta maioria tem pressa, porque quem tem idade não pode esperar", disse Amir Lando, também em entrevista transmitida no Bom Dia Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.