André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Associação deve pedir que STF impeça assembleias de reverem medidas contra deputados

Na ação, AMB pedirá que o Supremo deixe claro que as imunidades previstas a deputados e senadores não devem ser estendidas aos deputados estaduais

Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2017 | 17h58

BRASÍLIA - A Associação de Magistrados Brasileiros (AMB) deve protocolar ainda nesta terça-feira, 21, uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal pedindo que a Corte proíba assembleias legislativas estaduais de determinarem a soltura e de revogarem o afastamento de deputados estaduais.

+++ Procurador diz que decisão de restabelecimento de prisão de deputados é histórica

Na ação, a AMB pedirá que o Supremo deixe claro que as imunidades previstas a deputados e senadores no artigo 53 da Constituição Federal não devem ser estendidas aos deputados estaduais. Foi discutindo este artigo da Constituição que o STF decidiu, recentemente, que o Congresso pode rever o afastamento e outras medidas cautelares que impeçam direta ou indiretamente o exercício do mandato de parlamentares. A AMB sustentará que essa possibilidade se restrinja ao Congresso.

+++ Deputados repudiam restabelecimento de prisão

A ação chegará ao Supremo em meio a decisões de assembleias legislativas estaduais de reverem ordens de prisão e afastamento de deputados determinadas pelo Poder Judiciário.

Na sexta-feira, 17, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) decidiu soltar o presidente da Casa, Jorge Picciani, e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB, presos desde quinta-feira, 16, por decisão do Tribunal Regional Federal da Segunda Região (TRF-2). 

Nesta terça, o TRF-2, em uma nova votação, determinou o afastamento do mandato dos três deputados.

Além do Rio de Janeiro, há os casos de Mato Grosso e Rio Grande do Norte, em que deputados que estavam presos também foram beneficiados por decisão de seus pares nas respectivas assembleias legislativas.

A controvérsia surgiu após o plenário do Supremo decidir, em outubro, por 6 votos a 5, que o Congresso pode rever medidas cautelares diferentes da prisão em flagrante determinadas contra parlamentares. No julgamento, o pronunciamento não deixou claro se essa possibilidade se estendia também a deputados estaduais.

Foi com base nesse julgamento que o Senado derrubou, ainda em outubro, a decisão da Primeira Turma do STF que havia determinado o afastamento do exercício do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o recolhimento noturno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.