Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Associação de servidores vai ao Conselho de Ética contra Marun

Entidade vai protocolar representação em colegiado por entender que ministro chantageia governadores em favor da reforma da Previdência

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2018 | 15h44

BRASÍLIA - O Fórum Nacional das Carreiras de Estado (Fonacate) vai protocolar uma representação na Comissão de Ética Pública da Presidência da República contra o secretário de Governo, Carlos Marun. O objeto da ação é a suposta tentativa do ministro de coagir governadores e parlamentares, com a possível retenção de recursos da Caixa, a apoiar a reforma da Previdência. Para a instituição, esse comportamento fere claramente a lei e os princípios da administração pública.

Na semana passada, Marun divulgou nota, numa espécie de "tréplica" aos governadores que reagiram à sua recente declaração de que o governo pressiona gestores estaduais e municipais a trabalharem a favor da aprovação da reforma da Previdência, em troca da liberação de recursos em financiamentos de bancos públicos, como a Caixa.

"A reação daqueles que querem continuar omitindo a participação do governo federal nas ações resultantes de financiamentos obtidos junto aos bancos públicos só se justifica pela intenção de buscar resultados eleitorais exclusivamente para si", escreveu o ministro. "Estes defendem a equivocada tese de que quem recebe financiamentos pratica ações de governo e que quem os concede, não".

Sete dos nove governadores do Nordeste enviaram carta aberta ao presidente Michel Temer protestando contra a declaração do ministro. No documento, os governadores prometem acionar política e judicialmente os agentes públicos envolvidos, caso a "ameaça" de Marun se confirme.

Marun diz que assistiu a entrevista que concedeu anteriormente e que sua fala não teria sido bem interpretada. "Assisti à citada entrevista e desafio qualquer um a destacar o trecho em que afirmo que os financiamentos estão condicionados ao apoio à reforma da Previdência", diz. "Afirmei, como reafirmo, que espero que todos os agentes públicos tenham a responsabilidade de contribuir neste momento histórico da vida da Nação. E afirmei, como reafirmo, que vou dialogar de forma especial com aqueles que estão sendo beneficiados por ações do governo, pleiteando o seu envolvimento no esforço que estamos fazendo para realizar as reformas que o Brasil necessita", completou.

Em entrevista na terça-feira passada, Marun admitiu que o Palácio do Planalto pressiona os governadores a trabalharem a favor da aprovação da reforma da Previdência em troca da liberação de recursos em financiamentos públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.