Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Charles Jognson / Myphoto Press - 29/5/2021
Charles Jognson / Myphoto Press - 29/5/2021

Associação de PMs de Pernambuco nega influência política: ‘Policial não age por ideologia’

Duas pessoas foram feriadas por balas de borracha no ato contra Bolsonaro e perderam a visão

Pedro Jordão, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2021 | 22h27

RECIFE – A Associação de Cabos, Soldados e Bombeiros Militares de Pernambuco avalia que não houve insubordinação policial e nem influência do governo Bolsonaro dentro da instituição na ação contra manifestantes no último sábado. Duas pessoas foram feriadas por balas de borracha e perderam a visão. “Policial não age por questão de ideologia”, disse o presidente da ACS-PE, Alberisson Carlos.

“Não posso dizer quem deu a ordem”, afirmou. “Necessariamente, o comandante da operação recebeu uma ordem para agir. Quem tem que dizer quem deu a ordem é o governo do Estado.”

O governador Paulo Câmara (PSB) negou ter dado ordem para uma ação violenta das PMs. Mas a ação dos policiais nos atos contra o presidente Bolsonaro abriu uma crise no governo. Na terça, o Câmara aceitou o pedido de exoneração do comandante da Polícia Militar, Vanildo Maranhão. Ele será substituído pelo coronel José Roberto Santana, que ocupava o cargo de diretor de Planejamento Operacional da PM.

Dois dias antes da manifestação ser realizada, o promotor de Justiça Westei Conde se reuniu com os Secretários Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, o de Saúde, André Longo, e o de Defesa Social, Antônio de Pádua. Na reunião, o promotor pediu a Pádua que orientasse a PM no sentido de evitar excessos - já havia uma preocupação com a possibilidade da violência policial na manifestação.

Na terça-feira, 1º, Pádua foi convocado à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) pelo presidente da casa, o deputado Eriberto Medeiros (PP), para esclarecer os fatos. “As imagens do confronto dão a entender que houve excesso, mas só as investigações é que darão o norte, na hora de atribuir responsabilidades”, afirmou Medeiros.

Para a codeputada Jô Cavalcanti, que divide o mandato intitulado Juntas (PSOL) com outras quatro mulheres, presidentas da Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular da ALEPE, o secretário não respondeu às principais perguntas. “Ele negou saber da ação, disse que estava participando de uma reunião sobre o monitoramento das praias e que não sabia o que estava acontecendo no centro do Recife, onde também há câmeras”, disse a parlamentar, que participou do ato contra o presidente. Ao questionar quem havia dado a ordem, a codeputada informou que Pádua disse que o comandante da PM tinha livre arbítrio, que decidia pelo batalhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.