Associação de juízes federais apoia magistrado que pediu afastamento do caso Cachoeira

O presidente da Ajufe também considera grave que o ofício enviado por Paulo Moreira Lima tenha vazado

Agência Brasil,

19 de junho de 2012 | 17h49

BRASÍLIA - A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nota nesta terça-feira, 19, em apoio ao juiz Paulo Moreira Lima, que atuou na Operação Monte Carlo. O juiz pediu afastamento da 11ª Vara Federal em Goiás alegando estar sofrendo ameaças do grupo liderado pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Além de oferecer apoio e assistência ao juiz, o presidente da Ajufe, Nino Toldo, considera grave o vazamento do ofício que o magistrado enviou à Corregedoria Regional da Justiça Federal da 1ª Região, no qual relata a insegurança de continuar atuando na vara.

A Ajufe ainda informa que já entrou em contato com o Departamento de Polícia Federal e com a Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) para tratar da situação do magistrado. "A magistratura Federal brasileira não se vergará a qualquer tipo de ameaça", finaliza Toldo.

No dia 13 de junho, Moreira Lima enviou um ofício ao corregedor do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Carlos Olavo, responsável pela correição judiciária na região Centro-Oeste. O magistrado lembrou sua trajetória na vara criminal, iniciada em 2009, e a condenação de vários criminosos que não escondem o descontentamento com seu trabalho.

Segundo Moreira Lima, desde que assumiu a Operação Monte Carlo, ele foi informado de atentados e vem seguindo um rígido esquema de segurança.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.