Associação de delegados da PF rebate críticas de Jefferson

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) emitiu nota de desagravo nesta quinta-feira, 22 em defesa do delegado de PF, Daniel França, com relação as declarações feitas pelo presidente do PTB, Roberto Jefferson, indiciado na última quarta-feira por formação de quadrilha em razão de irregularidades na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).Sem citar nomes, Jefferson, após dar seu depoimento de duas horas, na sede da PF, disse ser vítima do "marketing policial do governo Lula". Para a associação, quem quer aparecer nessa história é o próprio político indiciado, e não a PF. A associação entendeu o ataque de Jefferson como uma crítica indireta endereçada ao delegado que preside o inquérito, Daniel França. Para a Associação, o delegado agiu corretamente. A associação lembra também do vídeo com as imagens do Chefe do Departamento de Contratação e Administração dos Correios, Maurício Marinho, que foi flagrado recebendo propina de R$ 3 mil. Ainda na gravação, Marinho descreve esquema de arrecadação de recursos para o PTB, que, segundo ele, era capitaneado pelo presidente do partido, Roberto Jefferson.Ainda de acordo com a associação, o indiciamento de Jefferson é um forte indicativo de que há provas contra ele. O ex-deputado disse na última quarta-feira que a PF se baseou apenas no seu livro Nervos de Aço para indicá-lo. A publicação, lançada recentemente, detalha o que Jefferson chama de aparelhamento dos órgãos públicos pelos partidos da base aliada do governo. "O ato de indiciamento, composto de um despacho prévio, fundamentado, auto de qualificação e interrogatório e demais peças obrigatórias, é elaborado quando há fortes indícios de autoria e materialidade e não em razão de obra publicada pelo investigado", conclui a associação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.