Associação critica projeto de importar engenheiros

A Federação Nacional dos Engenheiros divulgou nota contra a ideia em análise pela presidente Dilma Rousseff de importar profissionais de engenharia do exterior para trabalhar no Brasil, assim como fará no programa Mais Médicos, conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo no último domingo.

DÉBORA BERGAMASCO, Agência Estado

13 de agosto de 2013 | 19h33

Em nota, o presidente da instituição, Murilo Celso de Campos Pinheiro, chama a eventual medida de "paliativa" e propõe a abertura de concursos públicos para empregar engenheiros brasileiros País afora, respeitando o piso salarial, que hoje é em torno de R$ 6 mil.

"É preciso recuperar esse prejuízo, lançando mão de todas as possibilidades: tanto requalificar os profissionais disponíveis, mas à margem do mercado, quanto garantir que mais jovens ingressem nos cursos voltados às áreas tecnológicas, assegurando a formação de qualidade", complementa Pinheiro.

Esse tipo de reação, assim como aconteceu com os médicos contrários à vinda de profissionais de fora, é vista dentro do governo como uma resposta corporativa da categoria, para promover uma reserva de mercado.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, diz reconhecer a necessidade de formar mais e melhores engenheiros. "Por isso estamos investindo tanto no programa Ciência Sem Fronteira (que dá bolsas de estudo no exterior), e também trabalhamos para estimular que os estudantes optem pela área das ciências exatas, hoje carente no ocidente de um modo geral". O ministro destacou o projeto Quero Ser Professor, Quero Ser Cientista, que dará 100 mil bolsas de R$ 150 para alunos do ensino médio que desenvolverem pesquisa, em parceria com universidades, em matemática, física e química. "Se 10% desses enveredar para a engenharia, por exemplo, já teremos um avanço substancial", opinou. Por enquanto, esse projeto ainda não tem data para sair do papel.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaMais Engenheiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.