Assistencialismo não resolverá problema da fome, diz Ciro

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, afirmou hoje, em visita à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que as políticas sociais assistencialistas não resolverão sozinhas o problema da fome de 20 milhões de brasileiros que vivem no semi-árido nordestino, e que tampouco elas são sustentáveis no tempo. "Estamos falando de fome real para 20 milhões de pessoas. E isso não será revertido com caridade. É claro que é preciso atender, as políticas sociais são inadiáveis. Mas é preciso que o País se debruce do mesmo jeito no Norte de Minas Gerais, no Vale do Ribeira, no Sul do Rio Grande do Sul, e também em criar oportunidades competitivas sustentáveis para a produção", afirmou.Ciro Gomes ressaltou que o pensamento é compartilhado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Como o presidente Lula diz, isso é apenas um passo emergencial na direção do novo modelo de desenvolvimento, que gera emprego, renda, melhora o salário", complementou.Projetos sociaisCiro negou que será o coordenador-executivo dos projetos sociais do governo Lula, cargo cuja criação foi defendida ontem pelo ministro extraordinário da Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano. Questionado por jornalistas, Ciro respondeu: "Não tenho a menor idéia do que você está falando".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.