Assessoria de Palocci diz que investigação sobre pagamento do GPA foi arquivada

A assessoria da empresa Projeto, do ex-ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci, divulgou nota neste domingo, 19, na qual afirma que foram arquivadas pelo Ministério Público Federal as investigações sobre o suposto recebimento de pagamentos do Grupo Pão de Açúcar (GPA).

DAYANNE SOUSA, Estadão Conteúdo

19 Abril 2015 | 19h10

Documentos obtidos pela revista Época indicam que o ex-ministro recebeu R$ 12 milhões de empresas em 2010, quando coordenou a campanha presidencial de Dilma Rousseff. Entre as empresas das quais o petista recebeu pagamentos, mas, segundo a revista, não teria conseguido comprovar o serviço de consultoria, está o Grupo Pão de Açúcar, por meio de repasses feitos pelo escritório do criminalista Márcio Thomaz Bastos (falecido em 2014).

"Sobre serviços prestados ao Grupo Pão de Açúcar juntamente com o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, a empresa Projeto esclarece que pouco haveria a se considerar sobre o assunto, eis que todos os esclarecimentos a ele relativos foram prestados ao Ministério Público Federal ainda no ano de 2011, tendo aquele Órgão promovido o arquivamento das investigações então em curso relativos a este contrato", afirmou a assessoria de Palocci.

A nota foi enviada depois que o GPA comunicou que seu Conselho de Administração se reuniu hoje e deliberou por unanimidade solicitar ao Comitê de Auditoria que dê início a uma investigação sobre "a suposta existência e a origem dos pagamentos realizados, caso se verifique que ocorreram", e apure "os serviços que a eles corresponderam e a cadeia de aprovações de tais pagamentos".

De acordo com a reportagem da revista Época, os pagamentos teriam sido feitos em 2010 pelo GPA para que Palocci ajudasse na fusão entre o grupo com as Casas Bahia. Naquele ano, o empresário Abílio Diniz ainda participava do controle da companhia. O grupo francês Casino já era acionista, mas assumiu em definitivo o controle do GPA em julho de 2012.

Mais conteúdo sobre:
Pão de AçúcarPalocci

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.