HELVIO ROMERO/ESTADÃO
HELVIO ROMERO/ESTADÃO

Assessoria de Moro fala que Lula não descumpriu decisão judicial

Período encerrado às 17h era um 'prazo de oportunidade' em virtude do cargo ocupado pelo petista

Daniel Weterman e Rodolfo Mondoni, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 18h16

A assessoria da 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba, na qual despacha o juiz Sérgio Moro, esclareceu que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "não descumpriu ordem judicial" ao não se entregar à Polícia Federal até as 17h.

+++Entenda o que acontece se Lula não se entregar à PF 

O período concedido por Moro era um "prazo de oportunidade" em virtude do cargo ocupado pelo petista. Cabe agora à PF as tratativas de cumprimento da ordem, reforçou a assessoria. 

Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão no processo do caso tríplex do Guarujá. Na madrugada de quinta-feira, 5, o petista sofreu revés no Supremo Tribunal Federal (STF), que negou habeas corpus preventivo movido pelo petista para poder recorrer em liberdade até a última instância contra a sentença na Lava Jato.

Após a derrota no Supremo, Moro decretou a prisão do ex-presidente e estipulou o prazo para que ele se entregasse até as 17h desta sexta-feira. Lula, entretanto, decidiu permanecer no sindicato após encerrado o período estabelecido.

+++Prisão do Lula: tudo o que você precisa saber

O delegado da Lava Jato, Igor Romário de Paula, afirmou que possibilidade de a PF entrar no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo para prender Lula ‘é remota’.

“A prioridade é evitar confronto, o que faria inflar ainda mais os ânimos”, disse após reunião com forças de segurança estaduais para definir a operação de prisão de Lula.

 

Prisão de Lula AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a prisão do ex-presidente minuto a minuto.

Confira a cobertura do 'Estadão' em tempo real sobre a prisão do ex-presidente

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.