Assessores somem de salas de lideranças

A liderança do PTB na Câmara Municipal de São Paulo tem quatro assessores e custa R$ 31.998 mensais aos cofres do Legislativo. A entrada do gabinete fica bem ao lado do acesso principal ao plenário dos vereadores, no primeiro andar. Há pelo menos 20 dias, porém, nenhum dos assessores lotados no gabinete apareceu para trabalhar, conforme constatou a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

DIEGO ZANCHETTA, Agência Estado

27 de setembro de 2012 | 09h42

"Não tenho como fiscalizar todas as portas da Câmara, não tenho como saber quem está no gabinete da liderança agora ou nos últimos dias", afirmou o líder do PTB, Paulo Frange, candidato ao quinto mandato consecutivo.

As salas das lideranças do PV e do DEM também permaneceram fechadas desde a semana passada. Nos gabinetes principais e corredores do Palácio Anchieta também é visível o baixo movimento de funcionários. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPCâmara Municipal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.