Assessores da Fazenda tiram férias para se defender de denúncias

Segundo reportagem, assessores receberam propina de ex-secretária de empresa de comunicação, que presta serviços ao ministério

Ampliado às 10h41, Luci Ribeiro, da Agência Estado

19 de novembro de 2013 | 10h33

Brasília - O Ministério da Fazenda informou, em nota, que o chefe de gabinete do ministro da Fazenda, Marcelo Fiche, e o chefe da assessoria técnica e administrativa do gabinete, Humberto Alencar, pediram férias para, afastados de suas funções, poderem se defender das acusações publicadas na Revista Época. Na nota divulgada na noite dessa segunda-feira, 18, o Ministério da Fazenda informou também que Humberto Alencar não ocupa mais a função de fiscal do contrato de comunicação da empresa Partnersnet.

A Revista Época publicou reportagem nesse fim de semana que acusa Fiche e Alencar de terem recebido propina de R$ 60 mil de uma ex-secretária da empresa Partnersnet Comunicação Empresarial, que presta serviços de assessoria de imprensa ao Ministério.

Nessa segunda, o advogado da Partnersnet, Antonio Carlos de Almeida Castro, afirmou que serão entregues à Polícia Federal documentos que comprovam que a empresa não pediu à ex-secretária que repassasse qualquer quantia aos dois assessores do gabinete do ministro Guido Mantega. De acordo com Castro, a perícia do sigilo bancário e das conversas via Skype da empresa e da ex-funcionária vai mostrar que a empresa e os técnicos do Ministério são vítimas de um complô, cujo objetivo, provavelmente, seria derrubar o ministro Mantega. "É o Ministério da Fazenda e não o Ministério da Pesca", afirmou.

Na semana passada, a Fazenda disse, também em nota, ter aberto processo interno de investigação, "apesar da ausência de provas materiais até o momento".

Marcelo Fiche, por sua vez, afirmou tratar-se de uma calúnia "descabida" e que o processo licitatório respeitou as normais legais. "Fizemos um processo licitatório para contratação de empresa de assessoria de imprensa que pode ser considerado um marco para o setor público, já que mudou para baixo o patamar de preços desse tipo de prestação de serviço. Ou seja, estou sendo acusado em relação a um processo que gerou uma enorme economia de recursos públicos."

Humberto Alencar declarou não ter recebido "nenhuma vantagem, de qualquer natureza, da empresa Partnersnet", e que tomaria as medidas judiciais cabíveis contra Anne Paiva e também contra a revista Época.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.