Assessor de Mão Santa diz que doação foi legal

Doca Lustosa, assessor do senador Mão Santa (PMDB-PI), admitiu ontem ao Estado que combinou doação de campanha com o representante da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) Luiz Henrique Bezerra. Segundo ele, o valor do depósito - posto sob suspeita pela Polícia Federal durante a Operação Castelo de Areia - é de R$ 200 mil, em benefício da mulher de Mão Santa, Adalgisa Carvalho, candidata derrotada à Prefeitura de Parnaíba (PI). Lustosa ressaltou que o depósito foi feito ?dentro da legalidade? e negou que o dinheiro fosse da empreiteira Camargo Corrêa, investigada na ação da PF.

AE, Agencia Estado

31 de março de 2009 | 08h58

Segundo ele, o valor foi depositado na conta do PMDB do Piauí pela Galvasud S.A., empresa controlada pela Companhia Siderúrgica Nacional. O montante foi declarado e consta na base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A suspeita da PF sobre Lustosa tem como base grampo telefônico em que ele diz ao representante da Fiesp que seria ?melhor? que o comprovante do depósito, supostamente em nome da Camargo Corrêa, fosse enviado ao seu e-mail pessoal, e não ao seu endereço institucional do Senado - indício, para a PF, de que o depósito não teria sido feito ?às claras?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.