Assessor confirma que bispo Rodrigues recebia da Loterj

O chefe de gabinete do deputado estadual Marcos Abrahão, Jorge Luiz Dias, confirmou nesta sexta-feira que entregou pessoalmente R$ 28 mil da verba publicitária da Loterj ao deputado federal Carlos Alberto Rodrigues (PL-RJ), o Bispo Rodrigues, em pelo menos duas ocasiões. Entre 2001 e 2002, Dias disse ter repassado R$ 150 mil obtidos no esquema, que envolvia o ex-assessor da Casa Civil, Waldomiro Diniz, presidente da autarquia na época. O dinheiro era entregue pelo assessor parlamentar a um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, João Domingos, já desligado da igreja. A denúncia foi feita ao Ministério Público Estadual em maio passado.Hoje, a vice-presidente da Loterj, Rivângela França Borges, e dois diretores foram afastados enquanto as denúncias de corrupção no órgão estiverem sendo apuradas. Dias era chefe de gabinete do deputado pastor Valdeci de Paiva (assassinado em janeiro de 2003), quando este teria sido procurado pelo Bispo Rodrigues, que pedia a indicação de uma empresa especializada em outdoors para fazer um serviço para a Loterj. Dias, que hoje trabalha para um dos suspeitos da morte de Valdeci, conta que foi o encarregado de encontrar a empresa e contratou a Job Niterói, com sede no bairro do Cachambi, na zona norte. O assessor conta que apresentou o dono da Job, que identifica apenas como Luiz Carlos, ao Bispo Rodrigues. Depois, foi orientado a levar o empresário ao gabinete de Waldomiro Diniz. O encontro teria sido presenciado pelo pastor João Domingos. ?Ele (Domingos) era os olhos do deputado Rodrigues na Loterj?, disse Dias, que evita chamar o político de bispo. ?Waldomiro e Rodrigues já eram amigos e a mulher de Waldomiro, Sandra, trabalhou no gabinete do deputado?. Segundo Dias, a agência que tinha a conta da Loterj, a Giovanni, FCB, repassava à Job a verba para a confecção de outdoors, que eram produzidos em quantidade menor do que a contratada. O dinheiro era repassado para o esquema. ?A campanha nunca foi para a rua?, diz.O chefe de gabinete disse acreditar que o dinheiro que recebia se tratava de contribuição de campanha. Somente depois da morte de Valdeci de Paiva teria tomado conhecimento do esquema. O ex-pastor João Domingos negou ter recebido dinheiro de Dias. ?Isso não aconteceu. Ele nutre um ódio terrível por mim porque eu avisei ao Valdeci que era traidor. Não sei até onde ele vai com isso, mas não estou preocupado?, disse. A assessoria de imprensa da Giovanni informou que a Job tem 20 anos no mercado e sempre prestou serviços às agências de publicidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.