Assentados do MST também plantam soja transgênica

Agricultores vinculados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) também plantam soja transgênica no Rio Grande do Sul, desobedecendo orientação da organização, que faz campanha contra os organismos geneticamente modificados. A constatação é da Rádio Gaúcha, que enviou um repórter aos assentamentos da região central do Estado e apresentou a matéria nesta terça-feira. Com nomes preservados, diversos assentados admitiram que optaram pelas sementes transgênicas por motivos econômicos. ?O custo da lavoura é menor?, disse um dos entrevistados. Outro relatou já ter sido intimidado por dirigentes do movimento para que desistisse do plantio. Eafirmou que haveria revolta entre os agricultores se o MST tentasse exigir exclusividade para a soja convencional. ?Tem gente que trabalha na liderança (do MST) que já plantou transgênicos?, alfinetou. Um terceiro chegou a afirmar que a postura do MST prejudica os assentados. ?Deviam lutar para liberar?,sugeriu. A reportagem da rádio também ouviu um vendedor de sementes da região, que estima que só de 30% a 40% da soja cultivada nos assentamentos seja convencional. ?Eles viram os outros (agricultores) se dando bem e começarama pegar (sementes transgênicas)?, observou o comerciante. Os coordenadores do movimento no Rio Grande do Sul não comentaram o assunto durante esta terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.