Assembleias de Deus não devem se posicionar nas eleições

A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) provavelmente não irá se posicionar formalmente neste ano com relação às eleições, informou o pastor Lelis Washington Marinhos, da comissão política da CGADB. Segundo Lelis, diversos pastores e a Igreja demonstraram em ocasiões variadas o apoio ao tucano Aécio Neves, mas não houve tempo hábil para a convenção se reunir e bater o martelo sobre um documento formal de apoio.

ANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014 | 19h31

A CGADB tinha marcado uma reunião nessa segunda-feira, 20, com intenção de formalizar o apoio à candidatura do PSDB. Mas, segundo Lelis, a reunião acabou sendo cancelada porque o pastor José Wellington, presidente da CGADB, foi chamado para um compromisso no Pará e, sem ele, a reunião em São Paulo não faria sentido. Não foi informado o compromisso de Wellington no Pará. "A gente vê essa situação com naturalidade, não há nenhuma crise. A Igreja tem sua posição, só não foi possível formalizar (a tempo do segundo turno)", afirmou o pastor Lelis.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesassembleia de deus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.