Assembléia gaúcha acaba com voto secreto

A Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou emenda à Constituição Estadual que extingue o voto secreto. A proposta, do deputado Kalil Sehbe (PDT), tem o objetivo de dar visibilidade ao voto dos parlamentares em situações como a escolha de diretores do sistema financeiro estadual e de conselheiros do Tribunal de Contas, que eram feitas por voto secreto. "O cidadão quer saber como vota o parlamentar que ele elegeu", comentou Sehbe, satisfeito com a apoio de 40 dos deputados que estavam em plenário. Apenas dois deputados votaram contra a proposta. Um deles, Reginaldo Pujol (PFL), entende que o voto secreto evita pressões e constrangimentos e permite que o parlamentar faça suas opções livremente, de acordo com sua consciência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.