Assembléia do Ceará discute soro contaminado

O dirigente da Associação das Vítimas e Familiares de Vítimas do Soro Ringer Lactato da Endomed, Sérgio Novaes, criticou, durante audiência pública na Assembléia Legislativa, no Recife, a Vigilância Sanitária do Ceará. Segundo ele, se aquele órgão tivesse uma fiscalização mais rigorosa nos laboratórios do Estado, poderia ter evitado as mortes provocadas pelo produto fabricado pelo Endomed, em 1997, e as ocorridas no início do mês, provavelmente devido ao mesmo tipo de soro, produzido pelo Farmace. As duas empresas são cearenses.Há cinco anos, 23 pessoas morreram contaminados pelo soro em hospitais do Recife e 47 ficaram com seqüelas. Há duas semanas, oito pessoas morreram supostamente por terem tomado Ringer Lactato contaminado na Casa de Saúde Santa Ifigênia, em Caruaru, no agreste pernambucano.A audiência pública foi solicitada pelas comissões de Cidadania e de Saúde da Assembléia, para debater o assunto. O advogado do Farmace, Adriano Parente, considerou precipitada qualquer acusação contra o laboratório. Ele lembrou que os órgãos fiscalizadores ainda estão investigando o fato. Já o diretor do Santa Ifigênia, Severino Omena, disse que os médicos são tão vítimas quanto os pacientes. O processo judicial movido pelas vítimas do Endomed, pedindo indenização e punição para os culpados, ainda está na primeira instância. "É a morosidade da Justiça que permite que fatos como esse continuem ocorrendo", disse Sérgio Novaes. Marco César Vasconcelos, marido de uma das vítimas, Marluce, contou que a mulher foi fazer um parto cesariano e passou a ter vida vegetativa por ter tomado o Ringer Lactato da Endomed. Ele cria sozinho os quatro filhos.O presidente da Comissão da Saúde da Assembléia, deputado estadual Garibaldi Gurgel (PMDB), afirmou que irá propor à Secretaria estadual de Saúde que todos os soros vindos de outros Estados devem ter amostras analisadas antes de serem liberados. Na quarta-feira, a comissão vai enviar perguntas sobre o caso à equipe médica encarregada das investigações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.