Assembléia de São Paulo aquiva processo contra Bragato

Deputado tucano é suspeito de ter recebido propina entre 2003 e 2005 envolvendo a CDHU

21 de agosto de 2007 | 17h07

O Conselho de Ética da Assembléia Legislativa de São Paulo arquivou na tarde desta terça-feira, 21, processo contra o deputado Mauro Bragato (PSDB). Foram nove votos a zero pelo arquivamento, inclusive com apoio do PT.   Bragato, que se afastou da liderança do PSDB na Assembléia, é suspeito de ter recebido R$ 104 mil de propina entre 2003 e 2005 de uma organização criminosa denunciada à Justiça em maio por fraude de licitações e superfaturamento de obras da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) na região de Presidente Prudente, base eleitoral do deputado.   Desde julho a Assembléia adiava uma definição sobre a abertura de investigação no caso. Nesse período, outros órgãos, como a Procuradoria Regional Eleitoral, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça, abriram procedimentos para apurar as suspeitas que recaem sobre Bragato.

Tudo o que sabemos sobre:
Mauro Bragato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.