Assassinos de juiz são condenados a mais de 20 anos

Odessi Martins da Silva, o Lumbrigão, e Giliardi Ferreira de Souza, o Gil, foram condenados hoje a 25 anos e oito meses e 24 anos e seis meses de prisão, respectivamente, pelo assassinato do juiz Alexandre Martins de Castro Filho, ocorrido em Vila Velha (ES), em março do ano passado.Réus confessos, eles foram sentenciados por homicídio qualificado, furto qualificado e formação de quadrilha. O resultado da avaliação dos jurados foi lido pelo juiz Sérgio Ricardo de Souza na tarde de hoje, 32 horas depois do início do julgamento, no Fórum de Vila Velha.Os advogados dos réus defenderam a tese de que eles pretendiam apenas roubar a caminhonete de Castro Filho. Mas os jurados (três mulheres e quatro homens) entenderam que a dupla cometeu crime de mando com recompensa em dinheiro, já que o juiz, que atuava na Vara de Execuções Criminais de Vitória, fazia parte de uma missão de combate ao crime organizado no Espírito Santo, e, por isso, havia contrariado interesses.Castro Filho foi morto com quatro tiros no dia 24 de março de 2003 na porta de uma academia, no bairro de Itapuã, por dois homens que passaram numa moto atirando. Além de Lumbrigão e Gil, outros cinco acusados no processo, Fernando de Oliveira Reis, o Cabeção, André Luiz Barbosa Tavares, Leandro Celestino dos Santos e os sargentos da Polícia Militar Heber Valêncio e Ranilson Alves da Silva, também serão levados à júri popular.Ainda está em andamento um outro inquérito policial que apura quem encomendou a morte do magistrado. Os nomes dos envolvidos não são divulgados porque o caso corre em sigilo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.