Assaltos, saques e mortes em Salvador

Os baianos viveram uma madrugada de terror na capital, trancados em casa com medo dos assaltantes que circularam tranqüilos numa cidade sem nenhum policiamento. Ocorreram vários saques, assaltos, assassinatos e incêndios. Na tradicional Baixa dos Sapateiros, pelo menos 20 lojas foram arrombadas e saqueadas, três delas acabaram incendiadas pelos saqueadores no trecho do Largo da Barroquinha e uma pessoa morreu. Os ladrões levaram 26 carros durante a madrugada e arrombaram outros 22 no Condomínio Vilas do Imbuí, na Avenida Paralela, ação presenciada pelos proprietários, que não puderam reagir. A cidade amanheceu com as ruas desertas e os moradores torcendo pela presença das tropas do Exército, anunciadas no final da tarde de ontem, mas que só devem circular pelas ruas de Salvador à tarde. Enquanto isso, bancos, escolas, repartições públicas e comércio estão fechados e a maioria da população não saiu de casa. Há a informação que 120 homens do batalhão de Caçadores de Sergipe estariam se deslocando para Salvador em quatro ônibus e devem chegar por volta do meio-dia.Os tiroteios ocorridos em assaltos e saques, na capital baiana, resultaram em nove mortes nas últimas 24 horas na cidade, de acordo a central de polícia responsável pelo registro das ocorrências. O caso mais grave foi o saque a uma loja de eletrodomésticos na Baixa dos Sapateiros que resultou na morte de Lígia Gomes Viana, de 26 anos, e ferimentos em outras cinco pessoas.Um irmão de Lígia, que não quis se identificar, disse que policiais também levaram objetos da loja, antes de reprimir os saqueadores. "Depois de alguns minutos, chegaram os seguranças que pareciam policiais e, antes de qualquer coisa, passaram a encher seus carros com mercadorias", contou. Em seguida, os seguranças mandaram que os saqueadores saíssem da loja e ocorreu o tiroteio. "Quando Lígia estava saindo, um homem deu dois tiros nela", relatou o irmão. Ela foi atingida na cabeça e no pescoço morrendo ao dar entrada no Hospital Geral do Estado.Ao calcularem os prejuízos da madrugada, os comerciantes da Baixa dos Sapateiros estavam indignados com o governador César Borges (PFL), com o prefeito Antonio Imbassahy (PFL) e com o presidente Fernando Henrique Cardoso. "É um absurdo o que essas autoridades deixaram e estão deixando acontecer aqui, isso é um típico exemplo de falta de governo, não dá para pagar impostos assim", disse um dos comerciantes.No início da rodovia BR-324, principal acesso rodoviário de Salvador, Paulo Olegário da Silva de 43 anos, foi assassinado quando voltava para casa, esta manhã, de bicicleta. Ele trabalhava numa distribuidora de bebidas e recusou transporte pago pela empresa para voltar para casa, pois não queria deixar a bicicleta na fábrica. Acabou sendo baleado por bandidos que levaram sua bicicleta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.