Assalto à CUT foi atentado contra o PT, acredita Dirceu

O presidente do PT, José Dirceu, afastou a hipótese de o assalto ao prédio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em São Paulo, ocorrido na madrugada deste sábado, ter se tratado de um crime comum e não ter ligação com os outros crimes que vitimaram membros do PT recentemente."Ninguém vai me convencer de que os invasores entraram lá para roubar tickets ou dinheiro de caixa. Isso é inverossímil", comentou durante oficina realizada pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), no Fórum Social Mundial, que acontece em Porto Alegre.Ele disse ainda que "o crime organizado tem um braço político e ele está voltado contra o PT." E complementou: ?É mais um sinal do momento que estamos vivendo? e ?o objetivo só pode ser o de desestabilizar e intimidar a esquerda em ano eleitoral."Dirceu chamou a atenção para o fato de duas das principais lideranças jovens do PT (o prefeito de Campinas, Antônio Carlos Santos, o Toninho, e o de Santo André, Celso Daniel) já terem morrido e criticou a investigação policial do caso Celso Daniel, dizendo que "a testemunha virou réu e a vítima quase vira também". Para Dirceu, PFL instiga o ódio contra o PTDirceu voltou a dizer que o PFL, partido da governadora do Maranhão e candidata Roseana Sarney, "instiga o ódio contra o PT" na propaganda política de TV. Ele também recorreu à sua experiência parlamentar para afirmar que há "lobbies poderosos" no Congresso, que trabalham em favor do crime organizado, lembrando o caso do deputado acreano, que teve o mandato cassado, Hildebrando Paschoal."Se não fosse o Ministério Público, o governador Jorge Viana (PT-AC) já estaria morto." Ele ainda criticou os governos do PSDB por não terem "vontade política de combater o crime".O tesoureiro da CUT nacional e presidente do Sindicato dos Bancários, João Vaccari, e o presidente da CUT São Paulo, Antonio Carlos Spis, estavam em Porto Alegre quando souberam do roubo à sede da entidade. Eles pegaram um vôo de volta a São Paulo para checarem pessoalmente os estragos.Para Vaccari, o crime foi muito bem planejado. "Dá para perceber que os assaltantes estavam em busca de papéis, documentos e computadores importantes." A CUT afirma que ajudará a polícia, fornecendo todas as informações possíveis. "Não temos segredos. Somos uma entidade transparente e a nossa única preocupação é que a polícia apure e indique os culpados", afirmou Vaccari.Apesar de não haver suspeitos, ele tem certeza de que não foi um crime comum. "Não vou dizer que foi crime político mas nos causa estranheza essa sequência de atentado à esquerda", reforçou.A CUT ainda não fez o levantamento dos documentos levados dos seis cofres. Sabe-se que eram cheques, atas e dinheiro pertencente ao fundo rotativo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.